Política

Reeleição de Dilma traz especulações sobre nomes de seu futuro governo

Aloizio Mercadante e José Eduardo Cardozo devem permanecer no próximo mandato; Jaques Wagner é cotado para Relações Institucionais 

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Aloizio Mercadante
O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante (Foto: Alan Marques/Folhapress)

Com a reeleição de Dilma Rousseff (PT) para a Presidência da República, já começam a aparecer especulações sobre possíveis nomes que irão compor seu próximo governo.

Confira como votaram os eleitores da capital paulista

A única pista que a presidente deu até agora é que o atual ministro da Fazenda, Mantega Mantega, não deve integrar a gestão 2015-2018. Em setembro, a falar sobre o futuro de Guido, Dilma afirmou: “Governo novo, equipe nova”.  Nesta segunda (27) foi ventilado o nome de Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, para substituir Mantega.

Outros homens de seu atual governo, como o ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Justiça), no entanto, devem permanecer em seus cargos.

José Eduardo Carodozo
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (Foto: Dida Sampaio)

+ Site de Dilma direcionava internautas para foto de Lula em ducha

O ex-governador da Bahia Jaques Wagner é um dos nomes cotados para assumir a Secretaria de Relações Institucionais, função que exerceu durante o segundo mandato do governo Lula.

Jaques Wagner
Jaques Wagner, cotado para assumir as Relações Institucionais (Foto: Alan Marques/Folhapress)

O gaúcho Miguel Rossetto, que foi ministro do Desenvolvimento Agrário, aparece entre os cotados para a Secretaria Geral da Presidência, hoje ocupada por Gilberto Carvalho.

Em rede social, Coronel Telhada pede divisão do país após reeleição de Dilma

Outro que deve voltar ao Planalto é Giles Azevedo, braço-direito de Dilma. No começo do ano, o chefe de gabinete da presidente pediu exoneração do cargo para integrar o comando da campanha à reeleição da petista. Giles trabalha com Dilma há mais de vinte anos e tem canal aberto com a presidente.

Fonte: VEJA SÃO PAULO