Crime

Polícia suspeita que 'Monstro da Alba' matou seis na capital

Agentes encontraram crânios e ossos dentro da casa de pintor no Jabaquara, na Zona Sul

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Serial killer Jabaquara
Casa na Rua Professor Emydio de Fonseca Telles, no Jabaquara, onde os corpos foram encontrados (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

O pintor Jorge Luiz Morais de Oliveira, de 41 anos, apontado como "serial killer" pela polícia, é suspeito de ter assassinado pelo menos seis pessoas dentro de uma casa em um beco da Favela Alba, no Jabaquara, na Zona Sul de São Paulo. Nesta segunda-feira (28), peritos e investigadores encontraram dois corpos de mulheres em decomposição, dois crânios, dezenas de ossos, roupas de criança e pele humana.

+ Polícia encontra três corpos em casa de pintor

A presença de roupas infantis no lugar fez a polícia desconfiar de que entre as vítimas de Oliveira estaria uma criança. Algumas das vítimas só devem ser identificadas por meio de DNA.

Também foi apreendido um fogão ensanguentado, mas não há indícios, segundo a polícia, de canibalismo. A Polícia Civil apura se Oliveira está envolvido no desaparecimento de pelo menos outras cinco pessoas na região. Os boletins de ocorrência foram registrados no 35º Distrito Policial (Jabaquara).

Jorge Luiz Morais de Oliveira serial killer Jabaquara
O pintor Jorge Luiz Morais de Oliveira, de 41 anos, suspeito de ter cometido os homicídios (Foto: Reprodução/TV Globo)

O Corpo de Bombeiros foi chamado para quebrar o sobrepiso da residência onde ele morava e do cortiço para onde ele levava as vítimas. De acordo com a polícia, as pessoas que podem ter sido assassinadas pelo pintor eram usuárias de drogas atraídas pelo suspeito. A única vítima que foge do perfil é uma vendedora de livros, desaparecida desde o início de junho. Ela teria batido na porta para vender os produtos, foi levada para dentro e teria sido assassinada.

O pintor já tinha antecedentes criminais e chegou a ficar preso durante vinte anos por duas condenações por homicídio. Segundo moradores da região, Oliveira aparentava ser uma pessoa "normal e tranquila".

+ As últimas notícias da capital

Segundo uma doméstica de 52 anos, o irmão de Oliveira vendia produtos de limpeza de porta em porta nas ruas do Jabaquara. Quando ele não fazia as entregas, a população ia até a casa dele para comprar os produtos e sempre via o pintor. "Ele cumprimentava a gente. Dava bom dia, boa tarde."

Uma desempregada de 19 anos disse que entrou na casa para fotografar o cenário. "Quando você entra na casa, vê um monte de buraco, que era onde ele jogava as vítimas. Era um cheiro forte de fossa, esgoto. Mas era cheiro de morte." Para os vizinhos, Oliveira é o "Monstro da Alba". "Ele é um monstro", repetia a aposentada Ednéia Gonçalves, de 64 anos, às crianças que rodeavam ontem a casa do acusado.

A família do acusado teve de fugir do local por ameaça de represália dos moradores. Vizinhos do pintor acreditam que os parentes dele encobriam os crimes. "Não é possível que eles não soubessem de nada. Eles têm participação, sim", disse um adolescente de 16 anos, que afirmou querer matar o pintor.

A família do pintor esteve no 35º DP na tarde de segunda, mas não deu entrevista. Conhecidos e parentes de desaparecidos também foram à delegacia em busca de informações sobre a identificação dos mortos. No início da noite, bombeiros e policiais ainda faziam buscas na casa. Em nota, a polícia informou que o acusado teve a prisão temporária decretada por dez dias e, depois, pedirá sua prisão preventiva.

Fonte: VEJA SÃO PAULO