Abastecimento

Polícia prende dois e indicia sete por furto de água

Em meio à crise de abastecimento no Estado, comerciantes utilizavam artifícios para pagar conta menor

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

A Polícia Civil indiciou nesta quinta-feira (10) donos de sete estabelecimentos comerciais da capital e Grande São Paulo sob a suspeita de furto de água. Batizada de 'Gato escaldado', a operação foi feita em conjunto com a Sabesp. Duas pessoas foram presas durante a ação.

+ Pela primeira vez, Alckmin admite racionamento de água em São Paulo

Policiais da delegacia de patrimônio do Departamento de Investigações Criminais (Deic) e técnicos da Sabesp visitaram nove estabelecimentos. As equipes encontraram adulterações em uma fábrica de gelo em Taboão da Serra, em uma churrascaria em Cangaíba, Zona Leste, e em cinco hotéis de um mesmo proprietário nos bairros Ipiranga, Vila Monumento e Vila Clementino, todos na Zona Sul.

+ Seca e falha de gestão causam crise da água em São Paulo

Peritos constataram alguns artifícios utilizados pelos comerciantes para adulterar o registro de consumo. Um deles era a colocação de um eletroímã que impedia o relógio de contabilizar a quantidade de água. Na churrascaria foi verificado ainda um desvio na rede.

As equipes prenderam o comerciante Getúlio Pedro Cimarosti, de 41 anos, sócio-proprietário da churrascaria, e o empresário do ramo hoteleiro Rogério Alves dos Reis, de 29 anos. Os donos da fábrica de gelo não foram encontrados no local. Eles também devem responder pelo crime de furto.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO