Interior

Polícia investiga autoria das listas das “vadias” e dos “malas”

Rankings com nomes de moradores de São João da Boa Vista circulam nas redes sociais e aplicativo de mensagem

Por: Estadão Conteúdo

Smartphone
Ranking: listas circulam em grupos criados no aplicativo de mensagens WhatsApp (Foto: Dário Oliveira/Codigo19/Folhapress)

A Polícia Civil abriu inquéritos para apurar a autoria das listas em que alguns moradores de São João da Boa Vista, no interior de São Paulo, são relacionados como "malas", "vadias" e "rodadas". Os rankings considerados ofensivos circulam pelas redes sociais e no aplicativo de mensagens WhatsApp.

+ Polícia investigará ranking com ofensas sexuais a alunas na USP

Até o momento, cinco mulheres incluídas na lista das "vadias" e um homem apontado como "mala" registraram boletim de ocorrência por injúria e difamação.

De acordo com o delegado da Polícia Civil Carlos Eduardo de Souza, que dirige os inquéritos, a primeira lista a circular nas redes sociais foi a dos "malas", com cerca de 150 nomes de homens, entre eles pessoas conhecidas na cidade, como advogados, médicos e comerciantes.

+ Polícia encontra estufa com cerca de 400 mudas de maconha em São Paulo

"Um deles procurou a polícia por ter se sentido ofendido, já que a lista está tendo ampla circulação", disse. Em seguida, segundo ele, saiu a lista com "as mais vadias", também na nomeada de "as mais estranhas e rodadas da cidade", com cerca de setenta nomes de mulheres.

Busca

Entre as cinco mulheres que já registraram um boletim de ocorrência, uma garota de 21 anos relatou ter sido humilhada e ridicularizada no local de trabalho. No caso da lista dos mais chatos, a polícia chegou ao nome de um dos autores da postagem. Ele será intimado para prestar esclarecimentos e deve ser indiciado pelo crime de injúria, que prevê pena de detenção de um a seis meses e multa.

+ Vazamento de imagens do corpo de Cristiano Araújo será investigado

A lista das "vadias", segundo o policial, também entrou em grupos do aplicativo WhatsApp. "Não temos a autoria, mas estamos chamando as pessoas que divulgaram e também os administradores desses grupos, pois, além do autor, quem repassa ou divulga também comete crime", afirmou o delegado.

+ Confira as principais notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO