Cidade

Coletivo leva poesia a transportes públicos

Grupo Poetas Ambulantes se reúne uma vez por mês para recitar versos em ônibus, metrôs e trens

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

Poetas_Ambulantes_7
Poetas Ambulantes: poemas escrito a mão são distribuidos durante o percurso (Foto: Renata Armelin)

“Eu podia estar roubando, eu podia estar dormindo ao seu lado, babando no seu ombro ou ainda, ouvindo funk em alto e bom som, sem fones de ouvido. Mas não. Estou aqui recitando poesias para vocês”, diz Carolina Peixoto, formada em pedagogia, de 24 anos, em alto e bom som para abrir espaço na multidão. Ela faz parte do coletivo Poetas Ambulantes, que uma vez por mês circula pelos transportes públicos da cidade declamando trechos de poesias para os passageiros. VEJA SÃO PAULO acompanhou a última viagem da turma, no dia 7 de março. Composto por seis poetas fixos e seis agregados, o grupo é formado em sua maioria por jovens entre 20 e 26 anos, que matém suas profissões, como professor e farmacêutico. Para participar da ação, todos pediram dispensa do trabalho na tarde do passeio.

A Partida

Poetas_Ambulantes_8
Poetas Ambulantes: no metrô, turma declama aos passageiros composições próprias e de grandes escritores (Foto: Renata Armelin)

Reunião marcada para as 14h30, no Parque Ecológico de São Paulo. As primeiras a chegar são Carol e Lu'z Ribeiro, de 25 anos, ambas poetisas e criadoras do coletivo. A ideia surgiu em outubro do ano passado com a vontade de fazer poesias e o ócio das meninas em um dia de folga no trabalho. “Eu via duas amigas nossas interpretando no ônibus. Pensei em transformar em poesia”, conta Carol. A primeira vez foi um desastre. Pediram carona e quando chamaram a atenção dos passageiros, não sabiam o que falar. Alguns ônibus depois, a dupla conseguiu. “A gente ainda precisa aprimorar muito. Mas já está bem melhor”, diz Lu’z, que é coordenadora de Núcleo de Medida Socioeducativa.

Conforme os outros integrantes chegavam (doze no total do dia), eram distribuídos papéis com o endereço do site do coletivo. No verso, eles escrevem a mão as estrofes que vão declamar. Carol lança as regras para o grupo: ela abre com o texto e, em seguida, os poetas falam na ordem. Frases curtas no começo e é proibido ter silêncio durante o trajeto. Se um esquecer, outro integrante cobre. É permitido ler as fichas, mas proibido aceitar qualquer tipo de contribuição financeira.

Poetas_Ambulantes_3
Poetas Ambulantes: passageiros prestam atenção na turma (Foto: Renata Armelin)

O caminho para eles pode variar. No entanto, o destino é o mesmo: algum sarau da cidade. Desta vez, o escolhido é Sobrenome Liberdade, no Grajaú. Para isso, seriam utilizados todos os transportes públicos, ônibus, metrô e trem.

Três ônibus, dezesseis estações de metrô e treze de trem

Faça chuva ou faça sol, o coletivo sai. E neste dia, a nuvem negra tomou conta da cidade. Na saída do parque, nenhum dos ônibus estava cheio. “O mais legal mesmo é quando a gente chega no metrô”, diz Jefferson Santana, professor de 3º colegial, poeta, e um dos fixos do grupo. Ainda assim, nenhum deles perde a oportunidade de falar seu verso.

Poetas_Ambulantes_6
Poetas Ambulantes: trem lotado não impede a brincadeira (Foto: Renata Armelin)

As reações dos passageiros são das mais variadas. Alguns simplesmente viram o rosto e fingem não prestar atenção. Outros olham com estranheza. A maioria observa com curiosidade, se espanta ao se deparar com o inesperado e se diverte com frases que se relacionam com o dia-a-dia. “Se meus versos de amor não chegam até você”, declamam em uníssono o verso de Jonas Worcman, “é porque eles estão presos na Marginal Tietê”.  No fim de cada frase, o autor do poema é revelado. Paulo Leminski é o favorito. Sérgio Vaz também aparece com frequência.

Antes de sair do ônibus e com os folhetos de poemas distribuídos, Carol lança o desafio. Quem recitar uma poesia, seja sua, seja a escrita ou alguma que venha na mente, ganha um livro. Estes foram doados de poetas e escritores parceiros. “Depois de ver todo mundo levantando, o pessoal se empolga e recita também”, conta Thiago Peixoto, agitador cultural e irmão mais velho de Carol. A dona de casa Madalena Aparecida não se arrisca, mas levanta do banco para ouvir melhor o que diziam os poetas. “É diferente e deixa o dia mais animado. Podia ser sempre assim, né?”, diz antes de descer na Avenida Domingos de Morais. Em um dos ônibus, o grupo se esforça em meio à multidão para ver a garota que, tímida,  toma coragem para recitar o "Soneto da Fidelidade", de Vinícius de Morais. Além do livro de presente, aplausos.

Na saída, Thiago entrega um verso ao cobrador que, mal humorado, se nega a aceitar. Nem tudo é poesia na vida de um poeta.

Estação da Luz

Poetas_Ambulantes_5
James e Thaís: jovens decidem acompanhar o grupo até o destino final (Foto: Renata Armelin)

A entrada do metrô é praticamente uma festa na chegada à Estação da Luz. Na mesma linha, eles pulam de vagão em vagão para conseguir atingir o maior número de pessoas. Dividindo-se em trios ou em quartetos, cada um vai para um canto. E não desistem nem mesmo quando não conseguem movimentar os braços. Roseli Galuchi, uma das passageiras, olha curiosa e sorri ao ler a frase “Novo endereço: agora estou morando em mim. Achei mais perto”, de Fernando Vasques, e se diverte ao ver os jovens intercalando os versos. Ela, ao lado de Pedro Galuchi, que escreve enquanto o trem anda, faz performances de poesias em saraus pela cidade. “Levar poesia a quem não tem acesso é muito bonito. E as pessoas não sabem que gostam até conhecer”, diz. “Acredito que faria um bem enorme para os usuários do transporte se tivéssemos mais atitudes assim”, afirma.

Poetas_Ambulantes_10
Poetas Ambulantes: no metrô, turma declama aos passageiros composições próprias e de grandes escritores (Foto: Renata Armelin)

Foi na baldeação da Luz com a Linha Amarela que a turma chamou a atenção. James Douglas, estudante, e sua namorada Thaís, ambos de 17, receberam um poema enquanto viam o coletivo recitar. “Era tudo o que eu precisava ouvir”, diz. James, que mora em Ferraz de Vasconcellos e voltava do centro onde procurava emprego. “Estava muito triste porque recebi alguns ‘nãos’. E de repente, eu ouço vejo o pessoal se movimentando assim, deu esperança." Sem saber muito bem o que é um sarau, os dois topam acompanhar o grupo até o resto do percurso. “Isso é demais. Quero escrever assim um dia”, sonha.

Poetas_Ambulantes_2
Poetas Ambulantes: trem lotado não impede a brincadeira (Foto: Renata Armelin)

O trajeto continuou – agora com mais dois integrantes – pelas linhas da CPTM. O sucesso foi maior. Logo na saída, com todos sentados, o grupo começa sua apresentação. Por estarem em um vagão menor, todos se intercalam juntos. Os passageiros sacam os celulares e começam a filmar. O coletivo não se importa. Maria Carla de Menezes, auxiliar de secretaria acadêmica, na Universidade de São Paulo já estava no trem quando a turma embarcou. “A gente volta cansada, depois de um dia inteiro de trabalho. Ouvir os versos relaxa”, diz, se divertindo com a interpretação dada pelos integrantes nos discursos. A estação Berrini chega e os poetas decidem descer. Os passageiros se despedem, mas como as portas do vagão demoram a fechar, os poetas recebem os aplausos de quem ficou do lado de dentro. “Volta, gente”, começam a gritar os espectadores. Mas não podiam, precisavam esperar o outro trem por conta de mais uma integrante que chegaria depois. 

A Chegada

Cansados, a caminhada continuava. Os livros já tinham acabado. James e Thaís ainda acompanhavam. Ligavam para os pais explicando que estavam indo para o outro lado da cidade para ouvir poesia. “Eu te devolvo os 6 reais que usei do seu bilhete único”, a menina se desculpa com a mãe. No fim, letras de rap ganham mais espaço. Criolo é um deles.

Poetas_Ambulantes_11
Poetas Ambulantes: trem lotado não impede a brincadeira (Foto: Renata Armelin)

Para se despedir do público, Carol puxa o grito de guerra. “Uma vez Poeta Ambulante e nada será como antes”.  E aleatoriamente, um deles completa com a frase de Leminski. “Esta vida é uma viagem. Pena eu estar só de passagem” e saltam do vagão. Ao desembarcar na última estação, o grupo se reúne e ouve mais elogios. Um senhor para para cumprimentar. A fila para subir a escada é gigante. Mas a turma ainda tem tempo para descansar antes de partir para o sarau. O relógio bate seis horas da tarde.

  • Dirigido e comandado por Fernanda de Almeida Prado, o Sarau Chama Poética faz duas apresentações na Casa das Rosas. A proposta é diferente dos saraus da cidade. Aquio, o improviso é comandado. Atores e convidados são chamados para interpretar textos sobre o tema, com o objetivo de dilvulgar e entreter a arte por meio da poesia, música e literatura. Neste sábado (23), Os Motivos da Rosa, passeia pelo universo feminono com as artistas Kana Aoki, Daisy Cordeiro e Fernanda Conrado e no dia 20 de abril, O Banquete e os Discursos Amorosos.
    Saiba mais
  • Uma vez por mês, o coletivo Poetas Ambulantes parte em busca de um sarau na cidade, usando os três transportes públicos: ônibus, metro e trem. Pelo caminho, o grupo recita poesias e distribuem versos aos passageiros. No dia 16 de abril, o grupo segue para o Tersarau, em Heliópolis.
    Saiba mais
  • Tem clima intimista, com luz baixa, que lembra um bar das antigas. Toda vez que alguém sente o impulso de declamar, toca um sino. No encerramento, um dos participantes lê um poema improvisado com trechos de tudo o que rolou do encontro, apelidado de “sarata” (a ata do sarau).
    Saiba mais
  • Sigla para Zona Autônoma da Palavra, o sarau realizado na sede do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos é a primeira noite de “poetry slam” –campeonato de poesia– do país. Aberto e gratuito, o encontro ocorre todas as segundas e começa às 19h com a exibição de um filme. Uma hora depois, o microfone aberto recebe qualquer pessoa que tiver uma poesia ou texto (autoral ou não) para declamar. O jogo entre os poetas encerra a noite.
    Saiba mais
  • Criado em 2001, pelo agitador cultural e poeta Sérgio Vaz, é uma das grandes atrações do Bar do Zé Batidão. Após a música esquentar o clima, começa a série de poesias. O evento chega a reunir mais de 200 pessoas.
    Saiba mais
  • O Sarau do Burro é um evento mensal de poesia, dedicado a livre experimentação e ao diálogo poético. Sem a utilização de microfone, inscrição ou tema, funciona sem um mestre de cerimônias oficial, cada um fala sua poesia e ouve, de acordo com a lógica do grupo. Une poesia e arte de rua, sempre com intervenções do artista Enivo e maestrado pelas batutas do poeta Daniel Minchoni. Acontece toda primeira terça-feira de cada mês.
    Saiba mais
  • O Sarau do Charles promove encontros de todos os ritmos  na cidade de São Paulo. Os eventos acontecem todo terceiro sábado do mês.
    Saiba mais
  • A ideia do sarau foi criada pelo escritor Alessandro Buzo, com dois objetivos. Primeiro, divulgar e dar visibilidade a sua própria carreira, e em segundo, promover eventos em comunidades. O evento acontece toda terça-feira.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO