Criminalidade

PM que atirou em suspeitos caídos é libertado em SP

O agente da Rocam foi liberado na noite desta quinta (25)

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

PM-atira-suspeitos-moto-cidade-alerta
Após perseguição, policial parou a moto ao lado de dois suspeitos caídos no chão e atirou (Foto: Reprodução / Cidade Alerta)

O policial militar que havia sido preso na última quarta (24), após ser flagrado disparando enquanto suspeitos estavam no chão, foi colocado em liberdade nesta quinta (25). O agente da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) foi afastado das atividades operacionais e cumprirá apenas funções administrativas até que a Corregedoria Interna da Polícia Militar delibere sobre o caso.

+ Cidade Alerta mostra policial atirando em fugitivos após perseguição

Os dois adolescentes baleados receberam alta médica. Eles estavam internados no Hospital Campo Limpo. O mais velho, de 17 anos, foi encaminhado para a Fundação Casa na quinta (25). O mais novo, de 16, teve alta nesta sexta (26) e deve ser transferido para uma unidade da antiga Febem.

Na última terça (23), câmeras de duas emissoras de televisão flagraram a perseguição do policial a dois suspeitos, menores de idade, que seguiam em outra motocicleta. Após um dos menores arremessar seu capacete contra o agente, os suspeitos caem da motocicleta. Nesse momento, as filmagens mostram o policial realizando disparos com sua arma contra os infratores. Posteriormente, ele se aproxima dos menores, retira a arma de um dos suspeitos e atira contra o chão.

+ O que acontece de mais importante na cidade

Um dia após a ação, o policial foi preso administrativamente. De acordo com a Polícia Militar, a prisão foi realizada "em um primeiro momento, para facilitar a produção de provas do Inquérito Policial Militar instaurado".Entretanto, na noite da última quinta-feira, o agente foi liberado. "Não havendo mais motivo para a manutenção da prisão disciplinar, o PM foi colocado em liberdade, sendo certo que será mantido no serviço administrativo enquanto perdurarem as investigações", afirmou em nota a PM.

Fonte: VEJA SÃO PAULO