Entrevista

Mark Johnson: "Nunca presenciei público tão incrível como no Brasil"

O idealizador do Playing for Change falou com VEJINHA.COM sobre o projeto e sua música

Por: Fernanda Bonadia

ABRE Playing for Change Bourbon Street Fest 10ª edição 2012
Bourbon Street Fest: Grandpa Elliott (à frente) e a contagiante Playing for Change (Foto: Divulgação)

Em 2009, o videoclipe do então desconhecido projeto Playing for Change se tornou um viral na internet e milhares de pessoas se encantaram com os artistas de rua de diversos lugares do globo cantando a canção "Stand by me".

Após o primeiro sucesso, o grupo cresceu e se desmembrou em diversas frentes, como a Fundação e a banda, que tem como "frontman" o carismático Grandpa Elliott. Após apresentações em 2011, grupo volta ao Brasil para realizar três shows na décima edição do Bourbon Street Fest. O último deles, no domingo (19), será na Rua dos Chanés, em frente ao bar que dá nome ao festival, e de graça

+ Acesse a programação completa do 10º Bourbon Street Fest

+ Confira o bate-papo com a banda Preservation Hall Jazz Band

O idealizador do projeto e presidente do conselho da Fundação Playing for Change, Mark Johnson, conversou com VEJINHA.COM. Confira o bate-papo:

VEJA SÃO PAULO — Este é o segundo ano que a banda Playing for Change vem para o Brasil. Qual foi a coisa de que mais gostou no país? MARK JOHNSON — Eu nunca presenciei um público tão incrível como vocês. O Brasil é o maior país para o Playing for Change, porque as pessoas amam esse projeto, a conexão entre as pessoas, a inspiração, a música...

VEJA SÃO PAULO — Conhece música brasileira? MARK JOHNSON — Claro! Nós gravamos junto com a Sandra de Sá e com o AfroReggae em nosso último álbum. Para o novo álbum, o "PFC 3", que estamos produzindo agora, gravamos com os músicos brasileiros que tocam banjo em Belo Horizonte [Vozes do Morro]. Eu gosto das músicas tradicionais brasileiras. Amo samba!

VEJA SÃO PAULO — Como se vive hoje fora do mainstream? MARK JOHNSON — Com a tecnologia, agora é possível alcançar tantas pessoas diferentes e dobrar o público em todo o mundo. Essa é a chance de os músicos realmente compartilharem suas canções. Basta você acreditar no que você faz!

VEJA SÃO PAULO — Como o Playing for Change ajuda quem procura um espaço? MARK JOHNSON — Bem, eles podem se juntar a nós e se tornar parte desta grande família. Nosso projeto inclui pessoas diferentes, de lugares diferentes e com culturas diferentes. A ideia é conectá-las por meio da música. Também temos oito programas educacionais e a construção de mais escolas para a Fundação Playing for Change.

VEJA SÃO PAULO — Tem planos para construir uma escola por aqui? MARK JOHNSON — Sim, estamos conversando com o AfroReggae para trabalhar com eles e com organizações na Colômbia e no México.

VEJA SÃO PAULO — E sobre o Playing for Change Day, poderia explicar  exatamente o que é? MARK JOHNSON — Este é o dia quando os músicos e fãs de música em todo o mundo colaboram juntos, realizando apresentações em qualquer lugar: desde a esquina até um café, uma sala de concertos e um estádio. No ano passado, tivemos 225 performances musicais de 41 países no mesmo dia. Dessa forma, as pessoas têm em suas mãos a chance para mais uma mudança positiva: ajudar a comprar instrumentos para jovens.

+ Evanescence anuncia quatro shows no Brasil

Videoclipe "Stand by me":

 

Videoclipe com participações de brasileiros, entre eles Sandra de Sá e AfroReggae:

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO