comportamento

Personalidades contam como fecharam as melhores compras de suas vidas

Barganha? Sorte? Henrique Fogaça, Luisa Mell, Ronnie Von e outros revelam suas táticas para economizar na hora de concluir um negócio

Por: Jussara Soares

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Eles fizeram compras vantajosas e revelam suas táticas na hora de fechar um bom negócio. Veja como algumas personalidades conseguiram desconto de até 90%.

Henrique Fogaça
O chef Henrique Fogaça: refrigerador de quatro portas por 2 800 reais (Foto: Mário Rodrigues/VEJA SÃO PAULO)

HENRIQUE FOGAÇA, 40 ANOS, CHEF

Em 2004, ele se preparava para montar o Sal Gastronomia, especializado em receitas contemporâneas. "“Não tinha dinheiro e estava começando um negócio”", conta o profissional, que integra também o time de jurados do programa Masterchef Brasil. A saída na época foi recorrer à Cozilândia (Avenida Aricanduva, 6333, ☎ 2727-2626). A loja, além de produtos novos para bares e restaurantes, vende máquinas seminovas e reformadas, com desconto médio de 40%. Lá, ele pagou 2 800 reais por um refrigerador de quatro portas que custaria 8 000 reais. O Sal abriu as portas em 2005 e a geladeira continua por lá até hoje. “"É meu amuleto"”, brinca Fogaça.

+ Henrique Fogaça, do MasterChef, revela onde costuma comer na cidade

ZUCATELLI
O apresentador Celso Zucatelli: tacada certeira para arrematar veículo mais potente (Foto: Pedro Colon)

CELSO ZUCATELLI, 41 ANOS, APRESENTADOR

O comandante do Hoje em Dia, da Record, orgulha-se de ter talento na arte de pechinchar. “Adoro pedir desconto”, afirma. Filho de comerciante, aprendeu que vendedor não tem prejuízo. “Ninguém dá mais do que pode.” Em 2007, Zucatelli conseguiu um substancial abatimento de preço ao comprar um carro novo. O apresentador tinha dinheiro para adquirir uma Tucson V4 (quatro cilindros), cujo valor era 87 000 reais. Ao chegar à concessionária, mudou de ideia e fez uma oferta para pagar 90 000 reais pelo modelo V6 (seis cilindros), mais potente. O valor original era 113 000 reais.“ "Forcei a barra e eles aceitaram. Nem eu acreditei."” Ele ficou com o automóvel até 2010.

Sarah Oliveira
A apresentadora Sarah Oliveira: garimpo em sebos (Foto: Mário Rodrigues)

SARAH OLIVEIRA, 35 ANOS, APRESENTADORA

Ex-VJ da MTV, Sarah Oliveira, atual comandante do Viva Voz, do GNT, continua respirando música. Hoje, costuma percorrer lojas de discos antigos para aumentar sua coleção de vinis. O acervo contabiliza cerca de 400 "bolachões" de MPB, blues e rock. Em dezembro de 2013, quando estava em Londres para a gravação de um programa, aproveitou para ir aos sebos do exótico bairro de Camden Town e descobriu um espaço com preços incríveis. Entre outras preciosidades, garimpou o disco Jardim Elétrico remasterizado de Os Mutantes por 15 libras (60 reais). "“Saí de lá saltitando, foi como se tivesse ganhado um prêmio”", lembra. “Em São Paulo, o LP sai por 300 reais.”

Lu Tranchesi
A blogueira Lu Tranchesi: sorte na hora de comprar (Foto: Rodrigo Dionisio/Frame)

LU TRANCHESI, 25 ANOS, BLOGUEIRA

Uma entre os três herdeiros da empresária Eliana Tranchesi, fundadora da Daslu, que morreu em 2012, Lu cresceu entre roupas Chanel, Hermès, Valentino e Dior. Apesar disso, garante ter hábitos frugais na hora de consumir. Quando está em Miami, nos Estados Unidos, não deixa de ir aos outlets. Em 2009, sem grandes expectativas, esteve na ponta de estoque da Ralph Lauren. "“Em geral, só se encontram coisas básicas”", afirma. Mas, naquele dia, ela deparou com uma blusa de renda pela pechincha de 500 dólares. "“Era peça única e do meu tamanho. Foi muita sorte"”, diz. O preço original, estima, era de 5 000 dólares. "“Jamais pagaria esse valor."

Ronnie Von
O cantor e apresentador Ronnie Von: bom negócio em feira de antiguidades (Foto: Paulo Vitale)

RONNIE VON, 70 ANOS, CANTOR E APRESENTADOR

Casado com a decoradora Maria Cristina Rangel, ele tem o hábito de frequentar feiras de antiguidades. Em 2010, na Praça Benedito Calixto, em Pinheiros, encantou-se com um turíbulo, usado na liturgia católica. Arrematou a peça por 600 reais. "“É muito bonito, entalhado a mão”", descreve. Já tinha a certeza de ter feito bom negócio, mas se surpreendeu ao consultar um especialista. "“Descobri que o artefato era do século XVIII, de prata de primeira linha."” O preço do objeto foi estimado em 4 000 reais. "“Nem o vendedor sabia que valia tanto."

Luisa-Mel---Fotos-Lourival-Ribeiro-(5)
A apresentadora Luisa Mell: sapatos de Stella McCartney com desconto (Foto: Lourival Ribeiro/SBT)

LUISA MELL, 36 ANOS, APRESENTADORA

Um dos destaques do Mundo PET, do SBT, ela não usa nenhuma peça de couro. Isso dificulta muito a compra de sapatos. “As alternativas são as marcas populares ou os caros modelos da estilista Stella McCartney.” O valor de alguns pares ultrapassa os 3 000 reais. Há quatro anos, Luísa, que está grávida de seis meses do primeiro filho, descobriu o mapa da mina: uma loja nos Jardins vende peças de coleções antigas de Stella com desconto de até 90%. “"Um dia passei lá e encontrei sapatos por 200 reais. Comprei todos os quatro pares disponíveis no meu número."” O estabelecimento é a Mtrês (Rua Cristiano Viana, 80, casa 2, ☎ 3064-2991)

Roberta Miranda
A cantora Roberta Miranda: "Dinheiro não aceita desaforo" (Foto: Divulgação)

ROBERTA MIRANDA, 58 ANOS, CANTORA

A artista se nega a pagar mais de 2 500 reais em qualquer roupa. "“Barganho mesmo. Dinheiro não aceita desaforo"”, afrma. "“Já comprei uma saia por 5 reais nos Jardins, acredita?"” O negócio ocorreu em dezembro de 2013 em um saldão de uma loja na Rua Dr. Melo Alves que estava encerrando as atividades. O preço original da peça era 175 reais. "“É uma saia rosa linda. Para mim, é um troféu”", diz Roberta.

João Carlos Martins
O maestro João Carlos Martins: porta de igreja comprada no Peru (Foto: Ana Ottoni)

JOÃO CARLOS MARTINS, 74 ANOS, MAESTRO

Em 1965, o músico fazia concertos pela América do Sul. Em Lima, no Peru, deparou com a venda de materiais de uma igreja que havia sido demolida. Parecia loucura comprar alguma coisa ali, mas o maestro não titubeou ao ver uma porta de madeira maciça em folha dupla. "“Paguei 100 dólares por algo que, acredito, custaria 3 000 dólares."” Embalou o negócio em papelão e o despachou para São Paulo. O objeto está há quase cinquenta anos na entrada do seu apartamento.

Fonte: VEJA SÃO PAULO