Paulistanos fazem panelaço durante pronunciamento de Dilma

Moradores da capital contrários à presidenta promoveram gritaria, vaias e até foguetório pedindo sua saída

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

 

Durante pronunciamento de Dilma Rousseff na televisão e na rádio na noite deste domingo (8), paulistanos contrários à presidenta promoveram gritaria, vaias, panelaço, buzinaço e até foguetório nas mais diversas regiões da capital.

+ Operação Lava-Jato: quem são e quanto cobram os defensores dos investigados

A reportagem registrou moradores apagando e ligando as luzes de seus apartamentos e casas em repúdio ao discurso de Dilma, outros na rua abriram as janelas dos carros, buzinavam e gritavam palavras ofensivas pedindo sua saída do Palácio do Planalto.

A hashtag "Fora Dilma" ficou nos trending topics do Twitter, assim como os nomes dos bairros de Moema e Vila Mariana, devido às intensas manifestações contrárias ao governo federal. Os usuários da rede social se manifestaram dizendo que a presidenta amenizou as dificuldades econômicas do país e não fez nenhuma menção ao escândalo de corrupção na Petrobras.

+ As últimas notícias da capital

As cenas de rejeição às palavras de Dilma ocorreram em bairros como Chácara Klabin, Vila Mariana, Vila Nova Conceição, Paraíso, Moema, Jardins, Vila Leopoldina, Perdizes, Morumbi e Higienópolis.

+ Ato pelo Dia Internacional da Mulher reúne 3 000 na capital

Momentos antes do início do pronunciamento, um aviso foi disparado via WhatsApp com os seguintes dizeres: "Hoje,às 20h40, panelaço nas janelas no momento do pronunciamento da presidente Dilma em rede nacional em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, oportunidade em que defenderá o governo e lançará um pacote anti-corrupção. Vamos todos para as janelas e vaiar muito. Também vale disparar alarmes de casas e carros! Compartilhe!"

+ Loja da Vivara é assaltada dentro de shopping em Cotia

Alguns moradores aproveitaram para incentivar o protesto a favor do impeachment de Dilma, programado para ocorrer no próximo domingo (15). Assista abaixo à íntegra do pronunciamento.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO