Semana da Pátria

Passeios para celebrar a cultura nacional

De musicais que homenageiam grandes nomes da música brasileira a museus com a cara do Brasil. Confira as atrações

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Chico Buarque, Rita Lee e Cazuza são alguns dos nomes da cultura nacional que estão no teatro. Até domingo, Chico Buarque é a estrela na peça Todos Os Musicais de Chico Buarque em 90 minutos, no Teatro Faap. O cantor e compositor também ganha homenagem no espetáculo O Grande Circo Místico, que celebra os seus 70 anos. Já Rita Lee Mora Ao Lado está em cartaz até novembro. Além deles, tem exposição de Aloísio Magalhães, designer responsável por diversos símbolos nacionais, como as cédulas de cruzeiro e o logotipo da Petrobras. Confira outros passeios:

  • Desde 1999, a mostra apresenta o melhor da produção regional brasileira. Nesta edição, o festival traz a São Paulo o que há de representativo na cena da Bahia para ocupar o Centro Cultural Banco do Brasil (entrada franca, com senhas distribuídas uma hora antes), o Teatro Sérgio Cardoso e o Teatro João Caetano (R$ 20,00, com ingressos vendidos uma hora antes) em 24 sessões entre a quinta (4/9) e o dia 24 de setembro de 2014. Na sexta (12) e no sábado (13), às 20h, o destaque é Entre Nós, uma Comédia sobre a Diversidade, escrita e dirigida por João Sanches, que pode ser vista na Sala Paschoal Carlos Magno, do Sérgio Cardoso. Já no CCBB, o Território Sirius Teatro apresenta o drama Joelma no sábado (13), às 20h, e no domingo (14), às 19h. Dirigida por Fábio Vidal e Edson Bastos, a montagem trata da história de uma das primeiras transexuais do Brasil.
    Saiba mais
  • Sob a regência do maestro João Maurício Galindo, a Orquestra Jazz Sinfônica traz aos palcos do Ibirapuera O Grande Circo Místico e apresenta o concerto montado a partir das músicas do espetáculo, assinadas por Chico Buarque e Edu Lobo. A atração mescla música, balé, números circenses, teatro e poesia. Dias 21 e 22/8/2015.
    Saiba mais
  • Em meio a tantos expoentes do gênero, o musical Rita Lee Mora ao Lado pode ser encarado como um primo pobre. Afinal, conta com cenários despojados, coreografias simples e um elenco algumas vezes carente de técnica. Sua qualidade, no entanto, é justamente saber o próprio tamanho e se limitar a homenagear a cantora sem exagerada pretensão. Adaptada do livro Rita Lee Mora ao Lado — Uma Biografia Alucinada da Rainha do Rock, de Henrique Bartsch, a montagem traz uma carismática Mel Lisboa no papel principal. A atriz tem poucas cenas em que lhe são exigidos recursos dramáticos profundos, mas carrega uma energia e uma irreverência próximas às da estrela. Em uma fusão de ficção e realidade, a trama mostra Rita da infância aos dias de hoje, por meio das confusões de Bárbara Farniente (vivida pela ótima Carol Portes, figura fundamental para o resultado), uma vizinha que acompanhou de perto a vida da família da artista. Construída pelos diretores Débora Dubois e Márcio Macena, além de Paulo Rogério Lopes, a dramaturgia enfileira esquetes e vários deles soam dispensáveis. Enquanto as intervenções de João Gilberto (Nelson Oliveira) e Ney Matogrosso (Fabiano Augusto), contribuem para narrar a história, os números de Caetano Veloso (Antonio Vanfill) e Gal Costa (Yael Pecarovich) só esticam a duração. Apoiada por seis músicos, Mel anima a plateia com Agora Só Falta Você, Saúde, Jardins da Babilônia e Ando Meio Desligado, entre outros sucessos, e é isso o que interessa. Em nome da festa, o público se rende, e o teatro se faz pela devoção a Rita Lee, especialmente quando Mel interpreta Coisas da Vida. Com Rafael Maia (como Roberto de Carvalho), Samuel de Assis, Débora Reis, César Figueiredo e outros. Estreou em 4/4/2014. Até 24/4/2016.
    Saiba mais
  • Emílio Dantas protagoniza Cazuza — Pro Dia Nascer Feliz, o Musical. Com direção de João Fonseca, a peça faz sessão gratuita no Memorial da América Latina na sexta (26/6/2015), às 20h, e traz a vida e sucessos do ídolo, morto em 1990 em decorrência da aids.
    Saiba mais
  • O musical de Claudio Botelho e Charles Möeller usa as canções de Chico Buarque para contar as histórias de uma trupe de teatro. Desta vez, Botelho assume ainda o papel do dono da companhia, que ao lado da mulher (Marya Bravo) viaja com suas apresentações por cidades. Com Gabi Porto, Rodrigo Cirne, Estrela Blanco, Felipe Tavolaro, Carol Bezerra e Thuany Parente. Na trilha, Calabar, Gota d’Água e Roda Viva. Estreou em 8/8/2014. Até 31/5/2015.
    Saiba mais
  • Em cartaz no Itaú Cultural, a Ocupação Aloisio Magalhães apresenta a trajetória de um dos designers mais importantes do país. Foi na prancheta do pernambucano que surgiram logotipos famosos, como os da Petrobras e da Bienal de São Paulo. O reconhecimento de sua atividade foi tal (ele faleceu em 1982, aos 54 anos) que a data escolhida para comemorar o dia do designer é 5 de novembro, a mesma do seu nascimento. Essa figura tão interessante, porém, não ganha uma montagem à altura. A abrangente exposição tenta fazer um panorama da carreira do artista, que começou pintando aquarelas e telas — elas lhe valeram uma participação na 30ª Bienal de Veneza — e terminou desenvolvendo políticas públicas, como funcionário do Ministério da Educação e Cultura do governo de João Figueiredo. Há muita informação em forma de texto, o que deixa a mostra um pouco confusa e menos atraente. A área dedicada ao legado no campo político, por exemplo, se resume a frases que exprimem seu modo de pensar. Ainda assim, há itens que chamam atenção, caso das cédulas de cruzeiro que desenhou em 1967 após uma seleção promovida pelo Banco Central. De 26/7/2014. Até 24/8/2014.
    Saiba mais
  • “Klift Kloft Still, a porta se abriu!” Logo na entrada da mostra, o boneco do Porteiro recebe os visitantes com o mesmo bordão com que recepcionava os personagens Pedro (interpretado por Luciano Amaral), Biba (Cynthia Rachel) e Zequinha (Fredy Allan) no programa de TV, que estreou em 1994. De cara, a frase mexe com a memória dos adultos e encanta as crianças. Na ótima exposição concebida pela equipe do MIS, comandada por André Sturm, em parceria com a TV Cultura, dez espaços reproduzem com capricho os ambientes do seriado. É possível interagir com a cobra Celeste no belíssimo saguão e visitar o quarto do Nino (Cássio Scapin). Igualmente de encher os olhos, a biblioteca tem como anfitrião o Gato Pintado. Ali e em todo canto, os visitantes podem mexer no cenário. Você também vai se divertir na cozinha, no quarto da Morgana (Rosi Campos)... E as outras figuras? Mau, Doutor Abobrinha e Caipora estão por lá. Durante o passeio, monitores de televisão apresentam trechos do programa e ajudam a refrescar a memória do público. Itens de acervo, fotos, roteiros e até as roupas originais contam como foi possível tornar a fantasia real. No dia 17/1, o museu abriu uma exposição paralela chamada Castelo Rá-Tim-Bum por 50 Artistas, com pinturas que retratam personagens e cenários do seriado. De 16/7/2014. Até 25/1/2015.  Virada: No último fim de semana, a mostra ficará aberta das 7h da manhã de sábado (24) até as 21h do domingo (25); os ingressos podem ser adquiridos apenas pela internet. + Exclusivo: vinte anos depois, atores e criadores contam segredos dos bastidores do Castelo Rá-Tim-Bum + Passeios, mostras e mais atrações gratuitas na cidade
    Saiba mais
  • Museus

    Museu da Língua Portuguesa

    Praça Da Luz, s/n, Bom Retiro

    Tel: (11) 3322 0080

    7 avaliações

    O museu já realizou homenagens a escritores como Fernando Pessoa, Machado de Assis, Clarice Lispector e Cazuza. Nas montagens permanentes, o espaço se dedica à valorização da língua portuguesa, usando a tecnologia para apresentar os conteúdos. O Beco das Palavras, por exemplo, é uma mesa interativa usada para formar vocábulos e descobrir seus significados e origens. Já a Linha do Tempo mostra aos visitantes a história do idioma. Há ainda um telão de 106 metros com projeções simultâneas sobre o uso do português e totens com a influência de outras línguas como tema. Observar com atenção a estrutura do prédio onde o museu está instalado também faz parte do passeio. Na Estação da Luz, o edifício é um patrimônio histórico do Século XIX.

    Saiba mais
  • Museus

    Museu do Futebol

    Praça Charles Miller, s/n, Pacaembu

    Tel: (11) 3664 3848

    7 avaliações

    Impossível não se contagiar de cara com a atmosfera boleira deste museu cravado debaixo das arquibancadas do Estádio do Pacaembu. Todas as atrações são multimídia e interativas. Projetores exibem fotografias gigantes de ídolos como Pelé, Garrincha, Zico e Ronaldo. Numa sala, fotos antigas contextualizam os primórdios do esporte no Brasil. Há muito material em vídeo, mostrando dribles, gols e jogadas marcantes. Quem quiser se aventurar (sobretudo as crianças), pode brincar de cobrar um pênalti e medir a velocidade do chute numa atração ou jogar com uma bola virtual em outra. Duas experiências arrepiam os visitantes: imagens de torcedores incentivando aos berros seus times, projetadas em telões debaixo das arquibancadas, e o acesso para ver (e fotografar, é claro) o gramado verdinho do Pacaembu. Em outra sala, telas em alta definição apresentam a história das copas e a participação da Seleção em cada uma delas. Difícil é sair de lá sem querer gritar “Brasil, Brasil, Brasil”.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO