Consumo

Ovo de Páscoa sobe mais que o dobro da inflação

Em alguns produtos, a variação foi de 30% em relação ao valor cobrado em 2015

Por: Rogério Dias - Atualizado em

Ovos de Pásco
Ovos de Páscoa em supermercado: alta acima da inflação (Foto: Marlon Costa/Futura Press/Folhapress)

Item mais procurado nesta época do ano, o ovo de Páscoa registrou alta de preço exponencial. Enquanto a inflação dos últimos dozes meses ficou em 10,73%, alguns produtos variaram até 30% em relação ao ano passado. 

O ovo Talento Avelãs (Garoto), de 375 gramas, por exemplo, custava entre 32,89 e 39,98 reais nas redes de supermercados da cidade, de acordo com Pesquisa Menor Preço realizada por VEJA SÃO PAULO em 2015. Hoje, o mesmo produto é encontrado por preços que variam de 42,90 a 49,90 reais. Quando cotejados os menores valores entre os dois anos (32,89 e 42,90 reais) a diferença é de 30,5%.

+ Pesquisa mostra diferença de preço dos ovos de Páscoa

Outros dois produtos que mantiveram o mesmo peso entre 2015 e 2016 também puderam ser comparados. O Sonho de Valsa (Lacta), de 330 gramas, anotou variação de 13% quando confrontadas as maiores cifras encontradas por VEJA SÃO PAULO nos supermercados: de 43,29 para 48,90 reais. Entre os mais baratos, porém, a alta ficou em 10%, ou seja, dentro da inflação. 

Já o Ouro Branco (Lacta), de 270 gramas, teve o valor acrescido em 12,5% de um ano para outro naqueles que eram mais acessíveis nos supermercados: de 23,95 para 26,97 reais. Os mais caros subiram 20%, de 30,59 para 36,90 reais.  

+ Ovos de Páscoa que prometem ser sensação entre adultos e crianças

O consumidor também vai se surpreender ao notar que os ovos de Páscoa deste ano encolheram e estão com a relação preço/grama mais cara.

O Alpino (Nestlé), por exemplo, tinha uma opção de 700 gramas. Os valores iam de 59,85 a 72,98 reais. Neste ano, só é possível encontrar nos mercados sua versão de 350 gramas, que custa entre 41,15 e 49,90 reais. Em 2015, portanto, pagava-se pouco mais de 10 centavos por grama. Agora, o valor de um grama beira 15 centavos. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO