Cidade

Atropelador de personal esta com cocaína, diz polícia

Acusado de atingir rapaz na porta da boate D-Edge no domingo (26) carregava pinos com pó branco, estava embriagado e não tinha habilitação

Por: Ana Luiza Cardoso - Atualizado em

Cristiano Stridelli
Com 41 anos, ele trabalhava como personal trainer. (Foto: Reprodução Facebook)

Além de não possuir habilitação, o motorista da Mitsubish Pajero TR4 que atropelou o personal trainer Cristiano Stridelli Ferreira, de 41 anos, estava embriagado. O caso aconteceu no domingo (26). Segundo boletim de ocorrência registrado no 91º Distrito Policial, ele foi reprovado no teste de bafômetro. Preso em flagrante, o garçom Yuri Jardim Novaes Medeiro da Silva, de 28 anos, ficará detido. “Como foi um flagrante, o caso continuará aqui até a conclusão”, disse o delegado titular Wanderley Afonso da Costa Junior.

+ Personal trainer morre atropelado em frente à casa noturna D-Edge

A polícia encontrou no bolso de Yuri Silva dois pinos com um pó branco. Segundo o boletim, “o próprio afirmou tratar-se de cocaína para seu consumo”. Nenhum representante da defesa do acusado foi localizado.

O carro conduzido por Yuri Silva pertence ao empresário Alexandre Pedroso Veronese, de 36 anos que não foi encontrado para comentar o caso. Em depoimento, ele afirmou que não sabia que garçom não tinha habilitação.

pajero
Pajero TR4 que se envolveu na tragédia (Foto: Reginaldo Castro/Folhapress)

Cristiano Stridelli, de 41 anos, morreu ao ser atropelado na Alameda Olga, perto da boate D-Edge, na Barra Funda. Ele estava sentado em um banco na calçada quando foi atingido pelo carro conduzido por Yuri Silva, que tentava estacionar, mas perdeu o controle do veículo ao andar em marcha à ré.

+ Seis pessoas morrem em série de ataques em Mogi das Cruzes

Uma amiga da vítima que estava próxima ao local também foi atingida pelo carro, mas sofreu ferimentos leves. Ela disse que Yuri Silva andava em “ziguezague” quando atingiu Ferreira. “Eu vi quando o carro se aproximou em alta velocidade. Por sorte, estava olhando e conseguiu fugir a tempo.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO