Turismo

Pequeno manual do cruzeirista

Dicas úteis para pôr em prática antes e durante a viagem de navio

Por: Adriana Setti - Atualizado em

CAPA Ed. 45 - CRUZEIROS - Manual do Cruzeirista
(Foto: Veja São Paulo)
  • AO PLANEJAR A VIAGEM

Acerte no cruzeiro

Para começar, os navios diferem bastante. Há os imensos, os mais intimistas, aqueles com serviços de primeira classe, os ideais para famílias que viajam com crianças... Depois entram em cena os roteiros. Capitais do Nordeste? Praias do Sul? Ou quem sabe uma esticada aos países vizinhos? Eis mais uma escolha importante. Por fim, é possível embarcar em uma viagem temática, quesito no qual o Brasil ficou famoso. Há cruzeiros musicais (com shows a bordo), de times de futebol, de baladas eletrônicas e até de dança de salão.

Escolha a cabine ideal

A alternativa mais básica é a que cabe melhor no bolso. As cabines internas sem janelas são mais baratas do que as internas com janelas, que são, por sua vez, mais baratas do que as externas com varandas e por aí vai. Mas a decisão não é tão simples. Quem não quiser caminhar (muito) para chegar às principais atrações precisará escolher os quartos próximos aos elevadores e às escadas. E quem tem tendência a enjoar deve dar prioridade às cabines centrais, que balançam menos em dias de mar agitado.

+ O colosso da temporada de cruzeiros

+ Conheça mais dez navios que saem de Santos a partir deste mês

+ Veja detalhes do MSC Fantasia, o resort flutuante

 

  • ANTES DE EMBARCAR

Leve na mala

- sapatos confortáveis

- roupas informais para usar durante o dia

- calças e roupas sociais para os jantares

- pelo menos uma peça de festa (os famosos jantares do comandante ainda são uma tradição, e os passageiros devem se vestir elegantemente — mulheres de vestido, homens de paletó).

Não leve na mala

- sapatos de salto alto (com o mar revolto, eles podem ser vexaminosos, além de perigosos)

- bebidas nem alimentos. Proibidos a bordo, eles serão confiscados no embarque.

Verifique os documentos

Nas rotas nacionais, basta o RG, a carteira de motorista, a certidão de nascimento ou qualquer outro documento válido no Brasil. Roteiros que contemplam visitas a países do Mercosul exigem o RG ou o passaporte originais.

Chegue para o check-in algumas horas antes da partida

O procedimento exige tempo. Primeiro é preciso despachar as malas, depois cumprir todas as etapas do check-in. As filas são constantes — e grandes. Atenção: o embarque é encerrado duas horas antes de o navio zarpar.

 

  • A BORDO

Mantenha os gastos extras na ponta do lápis

A moeda oficial a bordo dos navios é o dólar, usado para taxar do refrigerante aos gastos no cassino. Os preços do que não está incluído no pacote costumam ser bastante salgados. Usar o telefone da cabine, por exemplo, custa, em alguns casos, mais de 10 dólares por minuto.

Proteja-se contra viroses e intoxicações

Por serem ambientes fechados que aglomeram um grande número de pessoas, os navios são potenciais propagadores de doenças. As armadoras são rigorosíssimas com a higiene a bordo, mas não custa se prevenir lavando sempre as mãos e usando álcool em gel.

Fuja dos horários de pico

Almoço no bufê por volta das 13 horas ou elevadores de manhã, quando costumam sair as excursões, são sinônimo de filas e longa espera.

Evite os temidos enjoos

Olhe fixamente para o horizonte e evite se fechar na cabine. Procure as áreas próximas ao centro do navio, onde o balanço é menor. Se não melhorar, peça comprimidos à tripulação.

Valha-se dos refúgios mais tranquilos

Cansou do agito da piscina, dos bares e dos restaurantes? Os spas são verdadeiros oásis.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO