Protesto

MTST promete ocupar prédio da sede da Presidência em São Paulo

Em manifestação nesta quinta (25), Guilherme Boulos diz que se não forem atendidas as reivindicações do movimento, grupo invadirá edifício na Paulista

Por: Pedro Henrique Tavares - Atualizado em

Manifestação MTST
Grupo sai do vão do Masp no sentido Rua da Consolação nesta quinta (25) (Foto: Pedro Henrique Tavares)

Nesta quinta (25), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) realiza uma manifestação que começou no vão livre do Masp, por volta das 17h. O ato segue pela Avenida Paulista sentido Rua da Consolação. O primeiro lugar de parada do protesto, segundo os organizadores, é a sede da Presidência da República em São Paulo, que fica na Paulista, na altura da Rua Augusta. Entre as pautas do grupo estão o lançamento da terceira fase do programa Minha Casa, Minha Vida do governo federal e a liberação de recursos para moradias populares. 

Em anúncio feito durante o ato, o líder do MTST, Guilherme Boulos, afirmou que se o governo federal não atender as reivindicações do movimento, o grupo irá ocupar o prédio onde fica o escritório da Presidência na próxima manifestação, que deve ocorrer semana que vem. 

+ MTST começa série de protestos nesta quinta (25)

Depois, deve seguir para a Avenida Brigadeiro Faria Lima, onde fica o escritório da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e chegar até o Largo da Batata, em Pinheiros. 

Inicialmente, a Polícia Militar estimou que 100 pessoas estariam concentradas no vão do Masp. Agora, o orgão diz que o ato pode terminar com 10 000 manifestantes. O MTST estima um número maior: 15 000 pessoas. 

+ Acompanhe as últimas notícias da cidade

Em nota, o MTST disse que fará uma ocupação por semana. "Como o governo parece fazer ouvidos poucos, iremos também às ruas em grandes manifestações até que o os recursos para moradia sejam liberados.” 

O movimento também declarou ser contra o pacote de ajustes fiscais do governo Dilma, que modificou benefícios como o seguro-desemprego, pensões e aposentadoria, além da proposta de terceirização. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO