Chuvas

Mais de 400 árvores caíram na cidade desde segunda-feira

Mesmo sem temporal, foram registradas 120 quedas somente nesta terça-feira (30)

Por: Veja São Paulo

Chuva
Queda de árvore na esquina das ruas Eça de Queiroz e Cubatão, na Vila Mariana, na Zona Sul (Foto: BrunoFernandes/Futura Press/Folhapress)

Segundo informações da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, até as 13h desta terça-feira (30), o número de árvores caídas chegou a 480 – recorde na história da cidade. Durante o temporal da madrugada da última segunda-feira (29), a capital contabilizou 360. Somente entre a noite de segunda-feira e a manhã desta terça-feira foram somadas outras 120.

+ Parque do Ibirapuera reabre após temporal e queda de árvores

Para a prefeitura, mesmo com a ausência de ventos fortes, a chuva colaborou para o registro de novas ocorrências. Cerca de 200 árvores foram cortadas para a liberação de ruas e avenidas da cidade durante esta tarde.

Como medida de segurança, o Parque Ibirapuera chegou a ser fechado pela primeira vez em seus 60 anos. Ainda de acordo com a prefeitura, a tempestade que atingiu a região registrou ventos de 96,5 quilômetros por hora, provocando a queda de mais de 25 árvores somente dentro do parque. O local foi totalmente reaberto nesta terça.

Chuvas
Árvore cai na Avenida Pedro Alvares Cabral, próximo ao Parque do Ibirapuera, após chuva forte (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

+ Guarda-sol pode ter atraído raio que matou turistas em Praia Grande

Causas naturais

Segundo o prefeito Fernando Haddad, a culpa pela queda das árvores em São Paulo é da “natureza”. Questionado pelo jornalista Carlos Tramontina sobre possíveis árvores podres na cidade, o prefeito classificou o evento como um “quase furacão”.“Você já deve ter ouvido falar no Katrina. O furacão devastou a Flórida com ventos de 120 quilômetros por hora. Nós tivemos 100 quilômetros por hora em São Paulo. Uma situação próxima a de um furacão e nós nunca passamos por uma situação de furacão. E nós tivemos esse acontecimento em relação às árvores. As pessoas falam das podas, mas são 100 000 por ano. As remoções são cerca de 10 a 15 000 por ano” (Com Estadão Conteúdo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO