Consumo

Rua Oscar Freire, reformada em 2006, é polo de grifes do mundo todo

De quadros a joias, passando por jeans, saiba onde encontrar produtos luxuosos nesse shopping ao ar livre

Por: Alexandre Aragão - Atualizado em

Rua Oscar Freire
A Rua Oscar Freire foi reformada em 2006 (Foto: Fernando Moraes)

Centro que reúne lojas de estilistas brasileiros e grifes internacionais, a Rua Oscar Freire é reconhecidamente o principal lugar de compras de luxo na cidade. Não apenas as vitrines reforçam essa característica. Reformada em 2006, a Oscar Freire é uma das poucas vias paulistanas que têm fiação subterrânea, além de projeto urbanístico com árvores de médio porte e calçadas niveladas, facilitando a circulação de cadeirantes.

+ Confira o mapa do luxo de São Paulo

Galeria Romero Britto 2
Galeria Romero Britto, nos Jardins (Foto: Divulgação)

Batizada em homenagem ao médico baiano Oscar Freire de Carvalho — que veio dar aulas em São Paulo a convite do doutor Arnaldo Augusto Vieira de Carvalho, em 1917 —, a rua, a partir da década de 1980, tornou-se o primeiro endereço na cidade de diversas marcas importantes na história da moda e das artes brasileiras. Até então, a Rua Augusta concentrava a maior parte das lojas de luxo dos Jardins.

+ Luxo: veja guia com os melhores restaurantes, cinemas, baladas, e muito mais

Entre os que escolheram a rua para montar sua loja, estão o artista plástico Romero Britto e a estilista Clô Orozco. Ela foi a criadora da multimarcas Splash, onde conheceu o ex-marido Renato Kherlakian, fundador da Zoomp. Atualmente, Clô administra a Huis Clos, grife de moda feminina que pegou o nome emprestado de uma peça escrita pelo francês Jean-Paul Sartre, em 1944.

Carmim Oscar Freire
Loja da Carmim, na Rua Oscar Freire (Foto: Divulgação)

Nos últimos anos, esse shopping a céu aberto foi invadido por diversas lojas-conceito, que pretendem apresentar a marca ao consumidor como uma experiência, não apenas como um produto.

Confira abaixo do mapa dez destaques entre as lojas e galerias da Rua Oscar Freire:

Fonte: VEJA SÃO PAULO