CULTURA

Os quinze livros mais procurados na Mario de Andrade

Entre as obras mais requisitadas na maior biblioteca da metrópole estão clássicos como Vidas Secas, de Graciliano Ramos, e títulos contemporâneos, a exemplo de Cidades de Papel, de John Green

Por: Luiza Monteiro - Atualizado em

Biblioteca Mario de Andrade
Biblioteca Mario de Andrade: título mais requisitado saiu apenas 86 vezes em 2015 (Foto: Fernando Moraes)

Em tempos de tablets e e-readers, ir a uma biblioteca e pegar um livro para ler pode parecer coisa do passado. Mas o fato é que esses locais ainda são muito procurados. Para ter uma ideia, a Mario de Andrade – maior estabelecimento do tipo em São Paulo – emprestou, em 2014, 69 707 livros (no ano passado, o número subiu para 74 100). Além disso, ela atrai 1 200 visitantes diariamente, sendo que 90% deles têm menos de 33 anos.

+ Biblioteca Mário de Andrade anuncia funcionamento 24 horas

A biblioteca, inclusive, está em processo de funcionar 24 horas por dia. Por enquanto, apenas as áreas comuns do prédio podem ser acessadas sem horário restrito. A ideia é que, em breve, as seções de acervo – que incluem a Coleção Circulante, a Sala de Artes e a Coleção Geral – também possam ser visitadas a qualquer hora do dia... ou da noite.

Para quem pretende integrar o time de leitores notívagos da Mario de Andrade ou simplesmente costuma frequentá-la independentemente do horário, fomos atrás dos livros mais requisitados da biblioteca em 2015. Saiba quais são eles:

1) Vidas Secas, Graciliano Ramos (86 empréstimos)

O romance publicado em 1938 mostra a vida de Fabiano, Sinhá Vitória, seus filhos e a cachorra Baleia - uma família de sertanejos que é obrigada a se mudar periodicamente para fugir da seca do Nordeste.

Vidas Secas
Cena de Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos: adaptado da obra de Graciliano Ramos (Foto: Divulgação)

2) Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis (60 empréstimos)

Brás Cubas – herdeiro da família Cubas e narrador do livro – conta suas memórias depois de morto e faz a caracterização de todos os personagens da história. A obra ironiza os privilégios da elite brasileira do fim do século XIX.

3) Inferno, Dan Brown (56 empréstimos)

Nesta ficção lançada em 2013, o professor de Simbologia de Harvard Robert Langdon é levado a um mundo angustiante ligado a uma das obras literárias mais longas e misteriosas da história: A Divina Comédia, de Dante Alighieri.

4) A Cidade e as Serras, Eça de Queirós (52 empréstimos)

No último romance de sua vida, o escritor português compara, por meio do personagem Jacinto, a vida agitada na cidade de Paris ao estilo de vida tranquilo e pacato da cidade de Tormes, no interior de Portugal.  

10 motivos para levar suas filhas ao Museu do Futebol

5) Garota Exemplar, Gillian Flynn (49 empréstimos)

Este suspense narra a história do súbito desaparecimento de Amy Dunne e as dúvidas que circundam o ocorrido. Nick, seu marido, é apontado como o principal suspeito.

6) Viagens na Minha Terra, Almeida Garrett (49 empréstimos)

Na primeira parte deste romance, o narrador relata suas impressões de viagens, citando trechos de obras literárias, filosóficas e históricas. Na segunda, é contada a história de um drama amoroso que envolve cinco personagens e que tem como pano de fundo os conflitos entre liberais e miguelistas (1830 a 1834).

7) Os Irmãos Karamázov, Dostoiévski (46 empréstimos)

Este clássico da literatura russa fala da conturbada relação entre Fiodor Karamázov e seus três filhos: Aliócha, Ivan e Dmitri.

8) Cidades de Papel, John Green (43 empréstimos)

Desde a infância, Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela sua vizinha, a misteriosa Margo Spiegelman. Um dia, ela invade sua casa e o convida a acompanhá-la num plano de vingança – e ele aceita. No dia seguinte, contudo, a garota desaparece enigmaticamente. Quentin não se conforma e parte em busca de Margo – que não é bem quem ele imaginava que fosse.

Cidades de Papel
Cena do filme Cidades de Papel, baseado em livro homônimo (Foto: Divulgação)

9) Casa Grande & Senzala, Gilberto Freyre (40 empréstimos)

A primeira edição da principal obra deste intelectual brasileiro foi publicada em 1933. Nela, Freyre analisa fatos e costumes dos povos que formaram a nação brasileira – da colonização pelos portugueses à época da escravidão.

10 ) Til, José de Alencar (38 empréstimos)

O romance marca a fase regionalista de José de Alencar. A obra relata o cotidiano numa fazenda do interior paulista do século XIX. A personagem principal é Berta, mais conhecida como Til, caracterizada por ser bondosa e preocupada com todos.

+ 15 museus para entrar de graça em São Paulo

11) Morte Súbita, J.K. Rowling (38 empréstimos)

Lançado em 2012, este best-seller da autora de Harry Potter leva o leitor a Pagford, um vilarejo fictício da Inglaterra. Após a morte de Barry Fairbrother, membro da Câmara de Pagford, a cidade fica em choque e vê seu cotidiano completamente transformado.

12) Grande Sertão: Veredas, João Guimarães Rosa (37 empréstimos)

Riobaldo é um rico fazendeiro que relembra, ao longo de mais de 600 páginas, suas lutas, seus medos e seu amor reprimido por Diadorim. O personagem conversa com um interlocutor, que não se manifesta diretamente durante o livro. A narrativa simula o próprio sertão, onde acontece a história.

Capitães de Areia
Capitães da Areia: obra de Jorge Amado virou filme (Foto: Divulgação)

13) Capitães da Areia, Jorge Amado (37 empréstimos)

O romance retrata, de maneira humanizada, um grupo de meninos que vive nas ruas de Salvador. A obra não se limita a mostrar as atitudes violentas desses garotos, mas também suas aspirações e seus pensamentos ingênuos, comuns a qualquer criança.

+ Confira 8 lugares para viajar com até 200 reais

14) Pedagogia da Autonomia, Paulo Freire (36 empréstimos)

Nesta obra de 1996, Paulo Freire apresenta uma reflexão sobre a relação entre professores e alunos e propõe práticas pedagógicas que incentivam a autonomia, a capacidade de crítica e a valorização da cultura e de conhecimentos.

15) A Capital da Solidão, Roberto Pompeu de Toledo (35 empréstimos)

A cada capítulo, o autor conta a história da cidade de São Paulo – de quando ainda era a primeira vila do interior do Brasil, no século XVI, até se tornar uma metrópole, em 1900.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO