Política

Justiça fecha acordo com banco que movimentou milhões Maluf

Deutsche Bank vai pagar 20 milhões de dólares por ter recebido dinheiro vinculado ao ex-prefeito de São Paulo

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Paulo Maluf
Paulo Maluf, ex-prefeito de São Paulo  (Foto: Mario Rodrigues)

A Justiça homologou um acordo feito entre o Ministério Público, a prefeitura de São Paulo e o Deutsche Bank no qual o banco aceita pagar 20 milhões de dólares de danos materiais e morais por ter recebido recursos vinculados a Paulo Maluf (PP-SP) e a seus familiares. Em troca do montante, o banco não será alvo de ação judicial.

+ Maluf aguarda julgamento de recurso para definir futuro político

O valor total será dividido entre as partes envolvidas, sendo que a maior parte, de 18 milhões de dólares, irá para o município de São Paulo e deverá ser usado para a construção de creches. Cerca de 1,5 milhão de dólares vão para o estado de São Paulo, 300 000 para o Fundo Estadual de Interesses Difusos, e 200 000 para custear perícias e outras despesas em outros processos que envolvem Maluf.

+ "Sou o candidato mais ficha limpa do Brasil", diz Paulo Maluf

O Ministério Público será responsável por acompanhar a aplicação dos recursos, que devem ser depositados nas contas do estado e do município em até 45 dias.

Segundo a Promotoria, o banco lucrou 1 milhão de dólares com operações financeiras em que foram movimentados mais de 200 milhões de reais. O dinheiro, de acordo com o Ministério Público, foi desviado das obras do túnel Ayrton Senna e da Avenida Jornalista Roberto Marinho, quando Maluf foi prefeito de São Paulo (1993-1996).

 Candidatura

Paulo Maluf ainda espera que o recurso à impugnação de sua candidatura seja julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral. Nas últimas eleições do dia 5 de outubro ele recebeu 250 810 votos, e foi o oitavo mais votado em São Paulo.

+ Por que políticos como Maluf e Tiririca são os preferidos do eleitor

No dia 23 de setembro, por 4 votos a 3, o TSE decidiu impugnar a candidatura do ex-prefeito e ex-governador. Ele foi enquadrado na lei da Ficha Limpa depois de ter sido condenado pelo Tribunal de Justiça por irregularidades na construção do túnel Ayrton Senna, em 1996, quando administrava a capital paulista.

+ Confira as últimas notícias

O recurso está na assessoria do plenário, esperando para entrar na pauta do TSE e não existe prazo para ser julgado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO