Memória Paulistana

José Renato Pecora morre aos 85 anos

Ele infartou na madrugada de segunda (2), após uma sessão de "Doze Homens e Uma Sentença"

Por: Mauricio Xavier [Com reportagem de Dirceu Alves Jr., Isabella Villalba, Gustavo Simon e Mariana Barros] - Atualizado em

undefined Foto 2
José Renato Pecora: continuou trabalhando até morrer (Foto: Lucrécio Jr.)

Em 1948, o paulistano José Renato Pecora, então com 22 anos, ingressou na Escola de Arte Dramática (EAD) para superar uma frustração: devido à estatura — 1,62 metro —, havia sido recusado no curso de aviação. Já profissional dos palcos, ouviu um comentário franco da atriz Cacilda Becker: “Você é baixinho, nunca vai dar certo como ator. Invista na direção”.

+ "Doze Homens e Uma Sentença": Oswaldo Avila substitui Zé Renato

+ Walcyr Carrasco vai sentir saudade de Zé Renato

Em 1955, ele abandonou os personagens para se transformar em um dos nossos maiores encenadores. Em contraste com as produções luxuosas do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), fundou o Teatro de Arena, em 1953, consagrando uma simplicidade cênica que alcançou o auge em “Eles Não Usam Black-Tie” (1958).

Brilharam em suas mãos os atores Maria Della Costa, Raul Cortez e Juca de Oliveira. Há seis meses, o diretor desafiou a profecia de Cacilda e voltou a atuar em “Doze Homens e Uma Sentença”. Após uma sessão, Zé Renato infartou na madrugada de segunda (2), aos 85 anos. Em entrevista a VEJA SÃO PAULO, em fevereiro, ele declarou: “Vou continuar trabalhando até morrer”. Foi assim.

Fonte: VEJA SÃO PAULO