SAÚDE

São Paulo terá serviço gratuito de hormonioterapia para transexuais

Tratamento está disponível nas UBS da região central da cidade

Por: Estadão Conteúdo

Comprimidos
Tratamento hormonal para transexuais estará disponível na rede pública municipal (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

A prefeitura de São Paulo vai lançar nesta quinta-feira (1º) um serviço gratuito de terapia hormonal para a população transexual da cidade. A iniciativa é das secretarias municipais da Saúde e de Direitos Humanos e faz partes dos eixos da Política Municipal de Atenção à Saúde Integral da População LGBT, além de seguir diretrizes da Política Nacional de Saúde Integral da População LGBT, do Ministério da Saúde.

Jovem transexual diz que teve dados vazados após alistamento militar

A hormonioterapia estará disponível nas nove Unidades Básicas de Saúde (UBS) da região central de São Paulo, onde se concentra 70% da população transexual, segundo a prefeitura. Médicos endocrinologistas e psicólogos foram capacitados para atuar nessas unidades e um protocolo de atendimento aos usuários interessados em iniciar a hormonioterapia foi criado.

Mudança de gênero: a complexa transformação de crianças e adolescentes

"Primeiramente, o paciente precisa procurar uma dessas UBSs, onde passará por sessões com um psicólogo. Ele irá elaborar um laudo analisando se o interessado está convicto ou não de que é aquilo que quer e vai encaminhá-lo para consulta com o endocrinologista - que, por sua vez, vai solicitar exames e avaliar se deve prescrever o tratamento", afirma o secretário da Saúde, Alexandre Padilha.

+ Confira as últimas notícias

Nesta primeira fase, o cuidado será iniciado com as beneficiárias do Projeto Transcidadania - política de fortalecimento da recolocação profissional, reintegração social e resgate da cidadania da população transexual -, já que a grande maioria delas já faz uso de hormônio.

O serviço será lançado oficialmente no auditório da UBS Sé, na quinta-feira, e contará com as presenças de Padilha e do secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Eduardo Suplicy.

Fonte: VEJA SÃO PAULO