Cidade

Haddad vai adquirir terreno para compensar área ocupada em SP

Clube náutico à beira da represa Guarapiranga, no extremo sul da cidade, vai virar parque público de lazer, segundo o prefeito

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Fernando Haddad
Fernando Haddad: 18 milhões de reais para urbanizar área ocupada (Foto: Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo)

Durante visita ao acampamento Vila Nova Palestina, a maior ocupação do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) em São Paulo, o prefeito Fernando Haddad (PT), candidato à reeleição, anunciou a transformação de um clube náutico à beira da represa Guarapiranga, no extremo sul da cidade, localizado próximo da ocupação, em um parque público de lazer. "Estamos contratando vigilância e manejo para abrir à comunidade em setembro, com previsão de no máximo dia 10."

+MTST invade prédio da Presidência da República em São Paulo

A aquisição, segundo Haddad, atende não só a moradores da ocupação mas também a reivindicação de ambientalistas que, durante a elaboração do Plano Diretor, cobraram a destinação de um terreno de 1 milhão de m² na região para parque e questionavam o acampamento que ocupa 300 mil m² deste terreno. O clube tem a mesma área do acampamento e vai se somar aos 700 mil m² destinados ao parque. 

O petista afirmou que estão sendo feitos estudos para a urbanização da ocupação, com a construção de 3 000 unidades para atender cerca de 12 000 pessoas. O custo, segundo o prefeito, será de cerca de 18 milhões de reais. 

+João Doria mira em ciclovia para atacar Haddad

Ao receber Haddad, a coordenadora regional do MTST, Jussara Basso, relatou a luta dos militantes para garantir a ocupação da área e agradeceu ao petista pelos "acordos firmados que foram cumpridos". O MTST não anunciou apoio formal a nenhum candidato a prefeito em São Paulo e já realizou atos em favor de Luiza Erundina (PSOL). 

A coordenadora de projetos da SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro, criticou a solução usada pelo prefeito. Segundo Malu, não há compensação ambiental com a medida. "Só está se mudando o uso do terreno. Trata-se de uma solução imediatista que trará consequências a longo prazo", disse.

 

Fonte: Estadão Conteúdo