Crime

Filho de casal gay morre após suposta agressão sofrida em colégio

Jovem de 14 anos permaneceu em coma após ter sido espancando, segundo um dos pais; caso ocorreu em escola de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

jovem morto pais gays Peterson
Peterson Ricardo de Oliveira, de 14 anos, foi supostamente espancado por ser filho de um casal homossexual (Foto: Reprodução / Facebook)

O adolescente Peterson Ricardo de Oliveira, de 14 anos, morreu na tarde desta segunda (9) após permanecer quatro dias em coma depois de, supostamente, ter se envolvido em uma briga em escola pública na Vila Jamil, em Ferraz de Vasconcelos, Grande São Paulo.

+ Vereador de Santo André é morto a tiros dentro de casa

O rapaz teria sido agredido no último dia 5 por ser filho de um casal homossexual, de acordo com informações de um dos pais, Márcio Nogueira, em entrevista portal R7. Segundo ele, não era de seu conhecimento que o filho sofria qualquer tipo de preconceito.

Peterson era aluno do colégio desde os 6 anos de idade e seu irmão, de 15 anos, que também estudava no mesmo local, presenciou a agressão. Diante dos fatos, os pais decidiram divulgar o ocorrido.

O delegado Eduardo Boiguez Queiroz, da delegacia de Itaquaquecetuba, confirmou que o  jovem teria mesmo se envolvido em uma briga momentos antes de passar mal e ter de ser levado a um hospital da região. Segundo Queiroz, o rapaz tinha um aneurisma, portanto não é possível alegar que ele tenha sofrido qualquer tipo de mal por causa da briga.

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação afirma que não há registros de agressão no interior da escola. Já a Secretaria Estadual de Saúde confirma que Peterson deu entrada no Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos no dia 5 com parada cardiorrespiratória. Ambas negam a versão da família.

Exames realizados no garoto constataram que ele teve uma hemorragia e não apresentou sinais externos de violência física. Um dos pais afirma que pretende processar o governo de São Paulo.

+ Confira as últimas notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO