Consumo

Alameda Santos ganha versão moderna de feirinha de moda

Mercadinho Chic! instala filial no número 1347, cujas portas abrem de segunda a sexta

Por: Júlia Gouveia - Atualizado em

Luiza Morandin Mercadinho Chic!
A estilista Luiza Morandin: os expositores passam por seleção (Foto: Lucas Limas)

Na entrada, estende-se um tapete vermelho. As lojas são decoradas com objetos como lustres e móveis em estilo provençal. Os produtos vendidos incluem desde um anel cravejado de zircônia (300 reais) até uma saia de tecido nigeriano (138 reais). Essa é a cara da nova unidade do Mercadinho Chic!, aberta em julho na Alameda Santos.

A exemplo da matriz, instalada na Rua Oscar Freire em 2008, trata-se de uma, vá lá, releitura das tradicionais feirinhas de moda e acessórios. Em vez de bolsas ripongas, há vestidos para a balada, bijuterias finas e comidinhas como brownies. A executiva Flora Franco, que trabalha na região, costuma visitar o local no tempo livre do almoço. “Eu me seguro para não ir toda hora”, conta ela, cliente dos estandes de bolsas e colares. “No shopping, tudo parece mais do mesmo. Aqui, os produtos são diferentes.”

Elias Santos Babylon Mercadinho Chic
O vendedor Elias Santos, da Babylon (Foto: Lucas Lima)

À frente dos espaços da Alameda Santos e da Oscar Freire está Jair Mercanzini, um dos criadores do Mercado Mundo Mix, que reuniu nos anos 90 então jovens talentos como o estilista Alexandre Herchcovitch. “Desta vez, o conceito é o de luxo acessível: peças autorais e preços mais em conta”, define Mercanzini. Com capacidade para 25 expositores, o ponto da Oscar Freire atrai 1 000 visitantes por dia e fatura 1 milhão de reais por ano. Na filial, cujo investimento foi de 200 000 reais, são cinquenta estandes. Os lojistas se revezam — alguns só estão ali em parte do mês. Para aqueles em que a permanência é mensal, o condomínio varia entre 2 800 e 3 200 reais, a depender de fatores como a metragem da “barraquinha” (3,5 a 9 metros quadrados).

Um dos pontos concorridos é a Babylon, que oferece itens como isqueiros estampados. “Os nossos produtos eram vendidos em outros estabelecimentos, mas eles se tornaram conhecidos pelo Mercadinho”, acredita o vendedor Elias Santos. A estilista Luiza Morandin, que também foi para lá, já era dona de um ateliê para vender sua grife, Mulheres de Alma e Cor, de roupas e acessórios étnicos. Ela entrou na Alameda Santos de olho no grande público potencial da rua. “Além disso, eu me identifiquei com a proposta coletiva, abrindo espaço para expositores de qualidade e préselecionados”, afirma. 

Mercadinho Chic! (filial) Alameda Santos, 1347, ☎ 3171-3289. Seg. a sex., 11h/19h.

Mercadinho Chic! (matriz) Rua Oscar Freire, 720, ☎ 3088-2348. Qua. a sáb., 12h/20h; dom., 11h/19h.

Fonte: VEJA SÃO PAULO