Mostra

Exposição sobre os Beatles no Eldorado terá até o bar 'Cavern Club'

Mostra, que teve investimento de 12 milhões de reais, conta com dez ambientes, 1 500 imagens e objetos autografos pelos músicos

Por: Mariana Rosário

 Cavern Club
Tedesco e Gualberto em cenário do Cavern Club: investimento de 12 milhões de reais (Foto: Renato Pizzutto)

Em 1970, os Beatles encerraram sua carreira sem nunca ter pisado no Brasil. Passados quase cinquenta anos, os fãs paulistanos terão a oportunidade de passear aqui na capital por cenários de alguns dos principais momentos da trajetória da banda inglesa.

Com estreia no dia 24, no Shopping Eldorado, a exposição Beatlemania Experience traz dez ambientes inspirados no visual da década de 60. Entre os espaços recriados está o Cavern Club, o bar de Liverpool que abrigou os primeiros shows dos Fab Four, e o submarino da animação, do álbum e da canção Yellow Submarine. O programa incluiu ma reencenação virtual do lendário show de 1965 no Shea Stadium, em Nova York.

+ Galeria do Rock inaugura horta comunitária em sua cobertura

Além dessas atrações, a mostra terá mais de 1 500 imagens e 200 objetos garimpados com colecionadores. Entre as peças, destaque para um álbum Help!, de 1965, autografado por John, Paul, George e Ringo. “Reuni esse material ao longo de três anos, no Brasil e em viagens ao exterior”, conta o empresário Christian Tedesco, dono da casa de espetáculos Tom Brasil e idealizador do negócio, ao lado do primo Rodrigo Tedesco e do produtor musical Carlos Gualberto.

The Beatles
O quarteto na fase dos terninhos: a mostra conta com 1 500 imagens (Foto: Central Press/Hulton Archive/Getty Images)

Com investimento de 12 milhões de reais, a estrutura ocupará uma área de 2 000 metros quadrados no estacionamento do shopping. O valor do ingresso básico será de 50 reais, mas uma entrada premium, por 200 reais, dará direito a uma camiseta, um pôster, um CD e passe livre ao local até o fim da exposição, em 8 de novembro. Os organizadores esperam receber 200 000 pessoas nesses três meses. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO