Criminalidade

Edinho, filho de Pelé, deixa a cadeia

O ex-goleiro estava preso desde terça-feira, dia 8

Por: Redação Veja São Paulo

O ex-goleiro e filho de Pelé, Edson Cholbi do Nascimento, o Edinho, deixou a cadeia anexa ao 5º DP de Santos na tarde desta terça-feira (15) por volta das 14 horas. Ele estava preso desde o dia 8 por não ter entregado o passaporte à Justiça.

+ Filho de Pelé é preso em Santos

Edinho foi condenado a 33 anos de reclusão por lavagem de dinheiro oriundo do tráfico de drogas.

No sábado (14), um habeas corpus foi concedido com a ressalva de que ele teria de usar um dispositivo de monitoramento eletrônico. Porém, a Secretaria de Administração Penitenciária não forneceu o aparelho.

"Eu pedi ao Tribunal que caísse com essa medida cautelar na segunda", diz o advogado Eugênio Malavasi. A decisão saiu apenas a noite, horário o qual Edinho não poderia mais deixar o lugar.

Malavasi já tinha entrado na quinta (10) com pedido de reconsideração, já que Edinho foi preso por não entregar um passaporte que alega ter sido extraviado. "Temos o documento da Polícia Federal de Santos de que esse documento não existe e por isso, não poderia ter sido entregue", afirmou Malavasi na época.

Ele continua recorrendo à decisão da condeção em liberdade.

+ Edinho não recebe visitas no 5º DP em Santos

Caso

No dia 30 de maio, Edinho foi condenado a 33 anos e quatro meses de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro oriundo do tráfico de drogas. A decisão foi da juíza Suzana Pereira da Silva, auxiliar da 1ª Vara Criminal de Praia Grande. Ele havia recorrido e aguardava em liberdade um novo posicionamento da Justiça. 

Além de Edinho, outro quatro réus receberam penas idênticas: Ronaldo Duarte Barsotti de Freitas, conhecido como "Naldinho"; Clóvis Ribeiro, o "Nai"; Maurício Louzada Ghelardi, o "Soldado"; e Nicolau Aun Júnior, o "Veio".

O esquema foi descoberto pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) em 2005 durante a “Operação Indra”. Considerado líder do grupo, Naldinho está desaparecido há mais de cinco anos.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO