Animais

Pets shops investem em delivery de banho e tosa

Agora móveis, os estabelecimentos levam serviços para cães e gatos até a porta da casa de clientes

Por: Luísa Alcade - Atualizado em

Banho e Tosa Delivery - Anna Gabriela e a labradora Fiona: banheira de aço e mesa elevatória
Anna Gabriela e a labradora Fiona: banheira de aço e mesa elevatória (Foto: Fernando Moraes)

Os donos de animais de estimação não precisam mais tirar o carro da garagem para usufruir serviços como banho, tosa e penteado para seus cães e gatos. Há pelo menos um ano funcionam na cidade algumas pet shops móveis, que vão até a porta da casa do cliente e realizam essas tarefas ali mesmo, em veículos adaptados, além de vender produtos como rações e roupinhas. A comodidade também beneficia os bichos, que recebem tratamento individual e não precisam permanecer em gaiolas aguardando para ser levados embora. Existem cerca de dez vans circulando por bairros da capital e cidades da Grande São Paulo. Uma delas é a Unique Mobile Pet Beauty, da publicitária Anna Gabriela Botelho, que roda há quatro meses por ruas de Alphaville e Tamboré. Após viajar aos Estados Unidos para conhecer o mercado e fazer cursos na área, ela investiu R$ 150.000 na compra e adaptação de uma van, que recebeu revestimento interno de aço cirúrgico e ganhou banheira de inox e mesa de tosa elevatória. Em um painel com uma tela touchscreen, Anna controla a temperatura do ambiente e do jato de água. Um gerador garante a energia, e a água utilizada é própria: são dois tanques separados, um para a água limpa e outro para a suja, que depois é descartada. Ela atende, em média, dez cães por dia — dirige cerca de 20 quilômetros para cumprir essa agenda — e seu faturamento mensal gira em torno de R$ 15.000. Os valores dos serviços variam de acordo com o porte, a raça e a pelagem do animal. O banho de um yorkshire, por exemplo, sai por R$ 47,00. A facilidade de ser atendido em casa acarreta custos mais altos — o mesmo tratamento no Pet Center Marginal, por exemplo, sairia por R$ 30,80. Durante o trabalho, a van fica estacionada na porta da casa do cliente. A pedagoga Thais Pachon Bianco atestou a mudança no comportamento do vira-lata Francesco Toti. “Ele ficava muito nervoso na hora de ir para a pet shop, lambia a patinha e chegava a se machucar, era uma tortura”, diz. “Agora fica quietinho.” A tranquilidade dos bichos é garantida pelo tratamento com dedicação exclusiva. “Sempre tive cachorro, e não gostava do trabalho em ritmo de linha de produção das lojas tradicionais”, comenta Anna Gabriela. “Eu não tenho pressa, espero o animal perder o medo e ir se acostumando.”

Banho e tosa delivery - A empresária Karla: R$ 40.000 investidos para adaptar uma van
A empresária Karla: 40.000 reais investidos para adaptar uma van (Foto: Rodrigo Paiva/RPCI)

A empresária Karla Alencar Rodrigues Garcia abriu há oito meses a Pet Móvel Aracê Embelezamento Animal e atende preferencialmente clientes nos bairros da Vila Mariana, Saúde e Ipiranga. Ela gastou R$ 89.000 para adquirir uma Mercedes Sprinter e outros R$ 40.000 para transformá-la e mobiliá-la com equipamentos como banheira, mesa, secador e máquinas de tosa. A água tem aquecimento a gás e um gerador garante a energia elétrica. Advogada por formação, Karla desistiu da pet shop tradicional que possuía havia dez anos devido aos valores gastos com aluguel e impostos. Cuida de doze bichos por dia, e a duração do serviço mais procurado, de banho e tosa, é de cerca de uma hora. Um de seus diferenciais é o atendimento de cachorros de grande porte: foi com esse objetivo que ela escolheu um veículo com bom espaço interno. A opção permite que alguns donos acompanhem o trabalho dentro do automóvel. “Isso é uma vantagem no caso de cães com problemas de saúde ou idosos”, explica.

Banho e tosa delivery - Zanin, da Pet Móvel Brasil: energia a bateria, como a dos trios elétricos
Zanin, da Pet Móvel Brasil: energia a bateria, como a dos trios elétricos (Foto: Fernando Moraes)

Dono do Studio Pet Móvel, Carlos Ricardo Santos Júnior atua na região do ABC há um ano e dois meses, atendendo principalmente em condomínios de prédios. Geralmente, estaciona a van na própria garagem dos clientes. “As empregadas domésticas trazem os animais ou eu mesmo vou buscá-los de porta em porta”, diz ele, que tem dois veículos adaptados e planeja investir em um terceiro. Herbert Zanin, dono da Pet Móvel Brasil, roda pela capital há um ano e meio e costuma parar na frente de casas no Pacaembu, Sumaré, Morumbi e Jardins. Ao contrário dos concorrentes, não trabalha com gerador: tem um sistema de alimentação de energia a bateria, como os trios elétricos. “As pet shops móveis são comuns nos Estados Unidos e na Inglaterra”, diz. “Lá existem até clínicas veterinárias ambulantes”, completa. Ou seja, mais uma novidade que deve desembarcar por aqui em breve.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO