Eleições 2014

Os quinze momentos mais marcantes do debate da Globo

Troca de farpas entre os candidatos e um William Bonner atrapalhado deram o tom do último confronto entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB)

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O último debate entre os candidatos à Presidência da República na Rede Globo foi marcado pela troca de farpas e acusações mútuas desde a primeira pergunta. Porém, tanto no confronto direto entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) quanto nas perguntas dos eleitores, os temas se repetiram: corrupção, economia, Pronatec, governo de Minas. 

+ Os melhores memes do debate da Globo

Em comum, os dois extrapolaram o tempo em praticamente todas as réplicas e tréplicas - e levaram bronca do mediador William Bonner. A plateia estava especialmente participativa, com muitas vaias e aplausos de ambos os lados. 

Confira os melhores momentos deste derradeiro embate antes da decisão nas urnas no próximo domingo (26):

1. William Bonner

Só deu ele. Logo de cara, o mediador cometeu uma gafe: anunciou o fim do primeiro bloco antes da tréplica de Aécio e, depois, ficou se desculpando com o tucano. Passou o tempo inteiro reprimindo a plateia, que ora aplaudia, ora vaiava os candidatos. Alguém reclamou que Bonner interrompeu Aécio em uma resposta cujo tempo já tinha estourado. "Estou atento ao relógio e permitindo que ambos concluam o raciocínio. É razoável", bradou. 

Bonner também "perdeu" uma candidata ao passar o microfone. "Elizabeth....onde está Elizabeth?"

2. Candidato querido

Ao responder para um eleitor presente no estúdio, Dilma se confundiu e o chamou de "candidato". Ela tirou o erro por menos e brincou. "Você pode ser candidato um dia, não é, querido?"

3. Líder do quê?

Dilma afirmou que Aécio foi "líder do governo FHC" e foi corrigida pelo tucano. "Era líder do Congresso. A senhora não conhece o Congresso", disse o tucano.

4. O que será

Dilma disse que melhorará os índices econômicos no próximo governo e levou uma alfinetada. "Vamos aguardar o eleitor decidir se a senhora vai ter um proximo mandato". 

5. Gastos com publicidade

Apesar de já ter criticado diversos aspectos do governo de Aécio em Minas Gerais, Dilma trouxe à tona pela primeira vez a denúncia de que ele se recusa a divulgar gastos com publicidade nos jornais e televisões da família Neves. "O meu governo não, mas o seu tem muito a esconder", apontou Dilma

6. "Bolsa-empresário"

Dilma critica o PSDB por não investir em programas sociais como Minha Casa Minha Vida e Bolsa-Família. "Vamos avançar muito mais. O que não vamos fazer é o bolsa-empresário", disse.

7. Obra-prima

Em um bate-boca sobre economia, Dilma criticou a política econômica do governo Fernando Henrique Cardoso. "Vocês fizeram a obra prima de aumentar impostos e deixar o governo com a dívida pública muito maior".

8. Meu nome é Aécio

"Me honra muito a comparação com Fernando Henrique Cardoso, mas eu me chamo Aécio Neves". 

9. Meu banho, minha vida

Ao criticar a falta de água em São Paulo, Dilma citou o humorista José Simão. "Vocês estão criando o 'Meu banho, minha vida'". 

11. Mineirês

Dilma Rousseff falou em "mineirês" com o conterrâneo. "Vocês 'jugaram' a crise nas costas dos brasileiros", disse, querendo dizer "jogaram". 

12. Ironias

Como já fez em debates anteriores, Aécio riu e chamou Dilma de confusa. Também desdenhou de uma proposta dela sobre reforma política. "É a primeira vez que escuto isso na vida".

13. Essa conversa

"Vocês sempre foram contra fazer política social e agora vêm para mim com essa conversa? A prática vale muito mais do que palavras vazias", filosofou Dilma.

14. Muito boa a sua pergunta

Seguindo direitinho o media-training, Dilma elogiou todas as perguntas no estúdio. "Muito boa a sua pergunta", repetiu oito vezes para cada um dos eleitores.

15. Trava-língua

Dilma deu um show de má dicção e tropeços no português. "Fonteiras" (fronteiras), "pofissional" (proporcional), "pra mim falar", "cheguem aqui e dizem" (digam). 

Fonte: VEJA SÃO PAULO