Animais

Creches para cães cobram mensalidades de até 1.400 reais

Apesar do alto custo, endereços vivem lotados de clientes

Por: Carolina Giovanelli - Atualizado em

Dog's Ville - 2308
Dog’s Ville, em Moema: de são-bernardo ao pequeno lulu-da-pomerânia (Foto: Rafael Incao)

O ambiente lembra um jardim de infância. Há os alunos tímidos, que preferem ficar quietos nos cantos. Outros parecem ligados nos 220 volts e não dispensam uma brincadeira. Alguns só esperam a soneca ou, principalmente, a hora do lanche. Quando alguém desobedece às regras, os professores chamam sua atenção rapidamente. É um tal de “Fred, quieto” para cá e “Sara, chega de briga” para lá. Cenas como essas são comuns nas chamadas creches caninas, uma opção para os donos de animais que passam o dia fora de casa e procuram alternativas para distrair a mascote. As mensalidades chegam a 1.400 reais. Apesar do custo alto, os endereços vivem lotados de clientes e não param de surgir novos concorrentes na praça.

+ Mais sobre bichos no blog da VEJA SÃO PAULO

Instalada em Moema, a Dog’s Ville funciona desde 2010. Recebe em média cinquenta animais diariamente. Dividem espaço, por exemplo, um são-bernardo e um lulu-da-pomerânia, versão míni do spitz-alemão, de aproximadamente 20 centímetros de altura. Quatro instrutores ajudam na execução de uma grade de atividades bastante elaborada. “De manhã, exercitamos o lado físico; à tarde, quando eles ficam cansados, a parte mental”, explica a gerente Paula Shiota. A creche oferece ensinamentos básicos, massagem, atividades no escorregador e na piscina, passeio no parque... Rolam ainda confraternizações como “amicão secreto” ou “cãocurso de fantasias”. Todos levam lancheira e têm a própria coleira. Um veterinário fica a postos para evitar problemas. “Sabemos das necessidades de cada cachorro, se o animal toma algum remédio ou se só responde a comandos em inglês”, diz Paula.

Inaugurada em outubro, a Pet Escola Jardins, na Alameda Campinas, aceita gatos e cachorros de pequeno e médio porte. Além de creche, é possível optar por incluir a função escola na estadia do  animal. Eles aprendem a deixar de roer os móveis, fazer xixi no lugar certo e não fugir quando o portão estiver aberto, entre outras coisas. “Temos até a reprodução de uma sala com comida de verdade, que ajuda a dar uma boa noção dos desafios que provavelmente serão enfrentados em casa”, conta a zootecnista Patrícia Kobal, sócia do negócio junto de Alexandre Rossi, o Dr. Pet. O resultado aparece no boletim entregue aos donos a cada dois meses. No momento de descanso, quartinhos climatizados e com trilha de sons da natureza acolhem os bichos. Uma das clientes é a arquiteta Felícia Goss, dona do pug Paçoca, de 1 ano, que frequenta o lugar às terças e quintas. “Ele passava o dia sozinho no apartamento, mas eu via que estava ansioso, pois dava escândalo quando eu chegava”, diz ela. “Com a socialização, ele se tornou mais calmo.” As creches são indicadas para cães com muita energia para gastar. Os que têm comportamento  agressivo, porém, são barrados na primeira entrevista, porque podem prejudicar os  outros “alunos”. O mesmo veto pode existir para os que não estão com os exames em dia e para os machos não castrados.

In-Cão - 2308
Diversão aquática no In-cão, em Taboão da Serra: uma van busca a mascote em casa e a leva ao espaço de 2 600 metros quadrados a partir das 4 horas (Foto: Rafael Incao)

Localizado em Taboão da Serra, na região metropolitana, o Clube Canino Incão tem uma área bastante ampla: 2.600 metros quadrados. No último ano, a procura por seus serviços aumentou quase 70%. Logo de manhã, os cerca de  cinquenta peludos chegam para ficar  até por volta das 17 horas. Alguns são trazidos por uma das três vans que passam na casa dos clientes a partir das 4 da manhã. Os cães correm pelo gramado, brincam no playground com rampa  e gangorra e, esporadicamente, aproveitam a piscina. Depois, tomam banho  para retornar ao lar cheirosos. Um veterinário disponível pode também, a pedido, atualizar a carteira de vacinas e aplicar antipulgas e vermífugo. “Os  donos são bastante exigentes e sempre  ficam de olho”, diz o proprietário Sérgio Incao. Ele não esquece o caso de uma moça que, mesmo durante sua lua  de mel de um mês na Austrália, ligava  todos os dias para saber  como o golden  retriever dela estava. Para facilitar a vi da dos profissionais, boa parte das creches conta hoje com câmeras que transmitem ao vivo o que o totó está fazendo, caso da própria Incão e da Pet Creche Paraíso, na Zona Sul. A cachorrada não tem do que se queixar.

+ Confira dicas para adestrar seu cãozinho e outras creches que recebem pets

SOMBRA E SOSSEGO

Algumas das Mordomias

■ Massagem

■ Monitoramento de câmeras, que o dono pode acompanhar pela internet ao vivo 

■ Aulas de obediência

■  Relaxamento com sons da natureza

■ Banho de piscina 

■ Brincadeiras com frisbee, bolinha,  escorregador  e gangorra

ENDEREÇOS

■ Clube Canino In-cão. Rua das Camélias, 951, Parque Assunção,  Taboão da Serra, telefone 3751-2951.  Mensalidade: 720 reais e 820 reais  (com transporte). www.incao.com.br.  

Dog’s Ville. Avenida Indianópolis, 668, Moema, telefone 5051-5040. Mensalidade:  638 reais. www.dogsville.com.br.   

Pet Creche Paraíso. Rua Doutor  Rafael de Barros, 600, Paraíso, telefone 3052-3844. Mensalidade:  580 reais.  www.petcrecheparaiso.com.br. 

 ■ Pet Escola Jardins. Alameda  Campinas, 1500, Jardim Paulista,  telefone 2501-7001 (ramal 4). Mensalidade:  1.400 reais (creche) e 1.600 (creche e  escola). www.petescolajardins.com.br.

Fonte: VEJA SÃO PAULO