Drogas

Crack: "Abandonei minhas duas filhas"

Por: Henrique Skujis e Maria Paola de Salvo - Atualizado em

Crack - F.O._2167
F.O., 29 anos, separada, auxiliar administrativa: "abandonei minhas duas filhas" (Foto: Fernando Moraes)

“Deixei de escovar os dentes e de tomar banho. Vivia apenas para fumar crack. Não conseguia nem cuidar das minhas filhas. Mandei a de 15 anos estudar no Canadá e a de 12 morar com o pai, em Porto Alegre.

Troquei tudo o que tinha dentro de casa pela droga: televisão, eletrodomésticos, roupas... Fumava quinze pedras por dia. Minha família, desesperada, não sabia o que fazer. Venderam meu apartamento e meu carro. Quando consegui dar um tempo, voltei a trabalhar. Mas, ao receber o primeiro salário, troquei tudo por crack. Recaí de novo. É difícil controlar a fissura.” F.O., 29 anos, separada, auxiliar administrativa

Fonte: VEJA SÃO PAULO