Comidinhas

Panetteria ZN ganha a enquete que escolheu a melhor coxinha da cidade

Com 39% dos votos, casa do Imirim, na Zona Norte, bateu endereços como o boteco BH Lanches, na Rua Augusta, e o bar Veloso, na Vila Mariana

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Supercoxinha - Panetteria ZN
As três versões do salgado servidas na casa do Imirim: a maior delas chega a pesar 1 quilo (Foto: Divulgação)

Após uma disputa acirrada, a coxinha da padaria  Panetteria ZN,  na Zona Norte, venceu a enquete que escolheu a melhor versão do salgado feita na cidade.

+ Confira o roteiro completo de comidinhas na cidade

A casa levou a melhor sobre outros catorze concorrentes em um levantamento on-line realizado pelo site de VEJA SÃO PAULO. Com 11.743 votos (39% do total), ficou à frente da lanchonete BH Lanches (30%), na Rua Augusta, que ficou em segundo lugar, e do bar Veloso (19%), na Vila Mariana, em terceiro.

+ Sete ogrices que rivalizam com a coxinha gigante

"Divulguei a enquete umas quatro vezes no Facebook da padaria e pedimos votos aos clientes", conta Fatima Dias, proprietária da Panetteria ZN. A coxinha é vendida há dezoito anos, mas só ficou famosa depois de um desafio lançado em fevereiro: quem conseguisse comer uma versão gigante do salgado, com aproximadamente 1 quilo, não pagaria pelo quitute. 

A promoção atraiu dezenas de pessoas, que comiam também o quitute no tamanho regular. Os preços são R$ 4,50 (sem catupiry) e R$ 5,20 (com o queijo). 

Pouca divulgação

Segundo lugar no pódio, o botecão BH Lanches é conhecido pelos notívagos da região do Baixo Augusta por funcionar 24 horas. O salgado (R$ 3,50) é bojudo e alimenta o pessoal antes e depois da balada.  "Comentamos sobre a enquete com alguns fregueses. Foi quase só no boca a boca", diz Luiz Antonio Machado Filho, um dos sócios do lugar. "Estou surpreso, não acompanhei a votação", admite. 

Acostumado com o primeiro lugar na maioria das premiações desse tipo, o bar Veloso, na Vila Mariana, obteve a terceira posição. Por dia, são vendidas mais de quatro mil unidades do produto, de recheio cremosíssimo e casquinha crocante, que caem bem com as caipirinhas feitas pelo barman Souza. "Fico feliz com o resultado", diz Otavio Canecchio, proprietário da casa. "Não conheço as outras coxinhas vencedoras, só as tradicionais mesmo."

Confira o resultado final da votação:

Melhor coxinha de São Paulo: resultado final
(Foto: Veja São Paulo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO