Crime

Corregedoria investiga fotos de PM com máscara de palhaço intimidando rapaz

Por: Adriana Farias - Atualizado em

policial militar - máscara de palhaço 1
Imagens começaram a circular nas redes sociais na tarde de quarta-feira (13) (Foto: Reprodução/Ponte Jornalismo)

A Corregedoria da Polícia Militar abriu investigação nesta quinta-feira (14) sobre duas fotos de um PM usando máscara de palhaço e empunhando um machado e uma arma na direção da cabeça de um rapaz negro. A decisão foi tomada após ofício enviado pela Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo.

+ A modelo Vanessa Alcântara, uma das detentas mais problemáticas do estado

O caso foi denunciado pelo portal Ponte Jornalismo na tarde de quarta-feira (13), após localizar as imagens nas redes sociais e em grupos restritos a policiais no Whatsapp. Junto com a circulação das fotos havia uma legenda compartilhada: “Tem tatuagem de palhaço, mas quando vê um na frente, fica com medo”.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), as imagens foram encaminhadas para a perícia com o objetivo de levantar informações a respeito de sua origem.

policial militar - máscara de palhaço 2
Após ofício da Ouvidoria, Corregedoria da Polícia Militar abre investigação para apurar o caso (Foto: Reprodução/Ponte Jornalismo)

“Trata-se de incitação de um crime", explica o ouvidor Julio Cesar Fernandes. A pena prevista no Código Penal é de detenção de três a seis meses ou multa. “Dá a entender que o policial queria passar um recado, de que está aí para meter medo”, conclui ele.

+ Caminhão desgovernado mata um adolescente e fere nove na Zona Norte

Estudos publicados pela polícia apontam que muitos criminosos com tatuagens de palhaço praticaram roubo ou se envolveram com a morte de agentes de segurança.

Ainda segundo a ouvidoria, suspeita-se que o rapaz da foto possa ter assassinado o PM Leandro Lessa de Souza no dia 25 de junho após uma tentativa de assalto no Ipiranga, Zona Sul. "É apenas uma hipótese que estamos levantando pelas semelhanças do rapaz, mas ainda não temos nada conclusivo", diz Fernandes.

Fonte: VEJA SÃO PAULO