GENTE

Corintianos pressionam patrocinador de Milton Neves nas redes sociais

Torcedores querem boicotar marca de sapatos devido a comentários de apresentador. Na TV, ele costuma afirmar que alvinegro tem sido beneficiado pela arbitragem

Por: Veja São Paulo

Milton Neves
Em 2001: Milton Neves segura o “apito amigo” do Corinthians (Foto: Reprodução Instagram)

Torcedores do Corinthians se manifestaram no Facebook na página da marca de sapatos Rafarillo contra as posições do apresentador Milton Neves. O jornalista da Band, patrocinado pela empresa, tem afirmado em seu programa que o time alvinegro tem sido beneficiado pela arbitragem nos últimos jogos que disputou.

+ Padre Jeferson Mengali é o conselheiro espiritual do Corinthians

"O patrocinado de vocês, o Milton Neves, é uma vergonha. Me recuso a comprar qualquer coisa enquanto o nome dele estiver vinculado à sua empresa! Ele mancha o nome do meu time, é imparcial e desonesto", comentou um internauta. Outros também usaram seus perfis para protestar contra o apresentador. 

Nos posts, a marca utilizou uma resposta padrão para amenizar as críticas dos torcedores. "A Rafarillo apoia o esporte como um todo, por isso, sempre patrocinamos diversos times de todo o país, fomentando não a rivalidade, mas sim a paixão nacional de todos nós brasileiros: o futebol. Inclusive já tivemos parcerias também com o Neto e o Ronaldo Giovanelli, que são grandes nomes do Corinthians", afirmou o comunicado. No texto, a empresa ainda diz que irá encaminhar as críticas ao seu departamento de marketing.

+ Listamania: Erros de arbitragem no Brasileirão viram memes

Polêmicas envolvendo o jornalista e o time têm se tornado frequentes nos últimos meses alguns meses. No último dia 16, o técnico do Corinthians, Tite, criticou ao vivo o apresentador por utilizar a expressão "apito amigo" para descrever a suposta ajuda da arbitragem. Na ocasião, em entrevista a VEJA SÃO PAULO, Milton Neves declarou que ficou feliz pela repercussão do assunto e que "o futebol precisa de polêmicas". 

Nesta segunda (7), a reportagem não conseguiu falar com o jornalista nem com a assessoria de imprensa da Rafarillo sobre o caso. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO