Saúde

Conselho Federal de Medicina autoriza uso de derivado da maconha

Canabidiol poderá ser prescrito por neurologistas, neurocirurgiões e psiquiatras em casos de epilepsia

Por: Veja São Paulo

Maconha
Plantação de pés de maconha (Foto: Reprodução)

O Conselho Federal de Medicina (CFM) autorizou nesta quinta (11) que médicos de três especialidades - neurologistas, neurocirurgiões e psiquiatras - prescrevam o canabidiol (CBD), uma das substâncias químicas presentes na maconha, exclusivamente para tratamento de epilepsias em crianças e adolescentes.

+ As últimas notícias da cidade

A autorização é para o "uso compassivo", ou seja, restrito àqueles pacientes que não tiverem resposta aos tratamentos convencionais. O Conselho recomenda ainda que o canabidiol não deve substituir completamente outras substâncias.

A dosagem por via oral foi restrita a 2,5 miligramas por quilo - variando porcentualmente em cada paciente - e divididas em duas vezes ao dia. Para que um médico prescreva a substância, é necessário que ele se cadastre em uma plataforma desenvolvida pelo Conselho e que nela coloque todos os seus pacientes que estão em tratamento com o CBD.

Embora libere o uso medicinal do canabidiol, o CFM veda a prescrição da cannabis in natura para uso medicinal e qualquer outra substância presente na maconha, como o THC, substância que já vem sendo utilizada para tratamento de outras doenças, como o mal de Parkinson, mas cuja prescrição continua proibida no país.

"Não temos elementos científicos que possam indicar a cannabis sativa (nome científico da maconha) para outros fins. Isso é derivado de fundamentação cientifica, além do contexto como um todo, das condições de drogadição", explica o presidente do CFM, Carlos Vital.

(Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO