turnê

As informações sobre o novo espetáculo do Cirque du Soleil

Trupe vai passar por seis capitais, partindo de São Paulo, onde já está em cartaz

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O circo mais famoso do mundo está pela quinta vez no Brasil, trazendo desta vez o espetáculo Corteo. A turnê do Cirque du Soleil vai para  para Brasília (26/7), Belo Horizonte (19/9), Curitiba (8/11/2013), Rio de Janeiro (27/12) e Porto Alegre (7/3/2014).

Corteo - curiosidades e números
(Foto: Renata Aguiar/Veja São Paulo)

A venda de ingressos para as apresentações de São Paulo ocorre na bilheteria do Credicard Hall, pela internet ou pelo telefone 4003-5588, das 9h às 21h.

A boa notícia é que os valores das entradas estão mais baratos, se comparados com os dos espetáculos anteriores: vão de R$ 95,00 (meia-entrada para o setor 3) a R$ 450,00 (inteira para o setor premium, de sexta a domingo). Há ainda o valor opcional adicional de R$ 190,00 para o serviço Tapis Rouge, que dá direito a área exclusiva com menu especial, drinques, brinde e presença de personagens do Cirque du Soleil. E, desta vez, o Tapis Rouge não será restrito apenas à área VIP: qualquer comprador, independente do setor do ingresso, pode adquirir o pacote adicional.

Cirque du Soleil Corteo
Cirque Du Soleil: temporada nacional começa neste fim de semana (Foto: Divulgação)

Criado em 2005, Corteo (“cortejo”, em português) é um desfile de artistas e números que vão sendo conduzidos por Mauro, “o palhaço sonhador”. “O espetáculo foi montado para festejar o presente e celebrar a vida”, diz o diretor Daniele Finzi Pasca. “Ele funciona como um corredor por onde vai desfilar um mundo de sonhos.”

Na coletiva de imprensa que ocorreu no final de 2012, no Palácio dos Cedros, no bairro Ipiranga, parte do grupo adiantou três dos dezenove números que serão apresentados em Corteo (e que podem ser vistos no vídeo acima): Acro-Duet, com um casal de bailarinos-malabaristas, Cyr Wheel, em que cinco artistas se equilibram em círculos de metal, e Juggling, com quatro jovens acrobatas-malabaristas que desafiam a gravidade com anéis, aros e tacos.

Por falta de espaço suficiente, a trupe acabou não trazendo os números mais impressionantes, que devem ficar por conta de Bouncing Beds, em que seis artistas saltam sobre duas camas de 300 kg que se movem como plataformas giratórias, e Chandeliers, em que quatro mulheres realizam acrobacias aéreas em três lustres gigantes.

+ Leia mais notícias sobre teatro

Fonte: VEJA SÃO PAULO