Cinema

"A Era do Gelo 4" mantém leveza e despretensão dos filmes anteriores

Ausência do brasileiro Carlos Saldanha na direção não tira a graça da animação

Por: Tiago Faria - Atualizado em

Cinema - A Era do Gelo 4 - 2276
Perigo no mar: personagens perseguidos por piratas e mutantes (Foto: Divulgação)

Desde o lançamento do primeiro episódio da cinessérie “A Era do Gelo”, em março de 2002, o universo da animação digital se expandiu numa velocidade extraordinária. Com o avanço do 3D, o formato ficou mais ambicioso e espetacular. Curiosamente, essa tendência ao gigantismo não alterou o ingrediente mais saboroso da franquia da Blue Sky Studios. “A Era do Gelo 4”, a exemplo dos anteriores, destoa da média — e agrada — ao insistir num charme até antiquado. O humor da trama flui com leveza e despretensão, no clima de velhas atrações da TV.

+ Os melhores filmes em cartaz; salas e horários

A fórmula, felizmente, ainda não se deixa derrubar pelo cansaço. Sobrevive inclusive à ausência do cineasta carioca Carlos Saldanha, responsável pelos outros capítulos. Hoje empenhado na continuação do desenho “Rio” (prevista para 2014), ele cedeu lugar a Mike Thurmeier, codiretor de “A Era do Gelo 3”, e Steve Martino, de “Horton e o Mundo dos Quem!”. A dança de cadeiras mal se nota na tela. Talvez porque o integrante mais divertido da turma continue a ser o melhor personagem de Saldanha: o esquilo Scrat. Eternamente em busca da noz perfeita, essa mascote azarada transita intrépida no mundo paleolítico no qual vivem o mamute Manny, o tigre Diego e o bicho-preguiça Sid. E rouba a cena de novo.

+ Filhos de férias: roteiro para o mês de julho

+ O melhor da semana para as crianças

É o próprio roedor, aliás, quem desata as reviravoltas desta sequência. O bichinho, engolido por uma rachadura no solo, vai parar no centro da Terra e provoca uma onda de terremotos. De tão potente, o impacto separa os continentes do planeta. Acaba sobrando, é óbvio, para o trio liderado por Manny. Atirados no oceano, eles se equilibram sobre uma calota gelada, à deriva. Aventuras mais perigosas os aguardam quando ficam na mira de piratas grosseirões e de criaturas mutantes. Não espere pela perspicácia das incríveis criações da Pixar ou da Aardman (produtora do recente “Piratas Pirados!”). Essa aventura ingênua nem se esforça para transportar o espectador a terras desconhecidas. A intenção parece muito mais modesta — revisitar personagens que, cativantes, fazem por merecer mais uma matinê amalucada.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO