cinema

Refilmagem de 'Poltergeist' é uma das estreias da semana

Filme de terror dos anos 80 ganha remake fiel ao original, mas bem menos assustador

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Cinco filmes chegam aos cinemas nesta quinta (21), entre eles a refilmagem de um clássico do terror dos anos 80, Poltergeist - O Fenômeno. O drama de época Miss Julie, com Jessica Chastain e Colin Farrell, enfoca o relacionamento da filha de um aristocrata com um empregado de seu pai. A história contada pela diretora e atriz Liv Ullmann é baseada em peça homônima de August Strindberg.

+ Outras notícias de cinema no Blog do Miguel

Confira os horários e salas:

  • Suspense / Drama

    Crimes Ocultos
    VejaSP
    2 avaliações
    Protagonista do novo Mad Max, Tom Hardy volta às telas e se dá muito mal ao falar inglês com sotaque russo na confusa trama de Crimes Ocultos. Tudo começa em 1933, quando está em foco o drama de órfãos ucranianos cujos pais foram castigados pela fome na ditadura de Stalin. Um deles consegue escapar da miséria e vira um herói na II Guerra sob o nome de Leo (Hardy). Na Moscou da década de 50, o protagonista virou um investigador militar às voltas com a morte (ou assassinato) do filho de um amigo. Por ter defendido a esposa (Noomi Rapace), acusada de traição pelo Partido Comunista, Leo, como castigo, é enviado com a mulher para a cidade de Volsk. Lá, novos crimes com crianças chamam sua atenção. O roteiro, inspirado no livro Child 44, de Tom Rob Smith, tenta atirar para vários lados em mais de duas cansativas horas de duração. Ora tem ecos das tragédias de guerra, ora traz à tona um filme policial como outro qualquer. Joel Kinnaman (o RoboCop) e Gary Oldman ficam igualmente perdidos. Estreou em 21/5/2015.
    Saiba mais
  • Adaline Bowman (Blake Lively) nasceu no início do século XX e, aos 30 anos e viúva, sofreu um acidente de carro e morreu por alguns minutos. A descarga elétrica de um raio a fez reviver e, a partir daí, a jovem passou por uma transformação que mudou seu destino para sempre. Sem envelhecer, ela atravessou as décadas com a mesmíssima aparência e até sua filha ficou parecendo sua avó (papel de Ellen Burstyn). A eterna juventude, porém, trouxe problemas. Adaline nunca mais se envolveu em relacionamentos afetivos e, quando descoberta por algum conhecido, precisou mudar de cidade. Nos dias de hoje, ela trabalha numa biblioteca e foge dos homens para não ter compromisso. Mas eis que o sedutor Ellis Jones (Michiel Huisman) surge no pedaço. A fantasia na linha de O Curioso Caso de Benjamin Button e Questão de Tempo ronda a trama de A Incrível História de Adaline. Há momentos saborosos, sobretudo nas competentes recriações de época. A trama também ganha igualmente certa empolgação quando Harrison Ford (convém não revelar o personagem) surge em cena para uma participação especial. Contudo, o drama romântico, sem se arriscar ou comover, caminha, em sequências previsíveis, para o inevitável final feliz. Estreou em 21/5/2015.
    Saiba mais
  • Companheira e musa do cineasta sueco Ingmar Bergman, Liv Ullmann, além de excelente atriz, tem uma carreira como diretora, incluindo os sensíveis dramas Sofe (1992) e Infiel (2000). Catorze anos depois deste seu penúltimo trabalho, a estrela retorna atrás das câmeras comandando uma adaptação da peça Senhorita Júlia, de August Strindberg (1849-1912). São apenas três personagens envolvidos num texto sobre poder e sedução. Na noite do solstício de verão, na Irlanda de 1890, a aristocrata Julie (Jessica Chastain) sente atração por John (Colin Farrell), um empregado faz-tudo da mansão. Para conquistá-lo, a senhorita joga charme e usa seu poder de patroa. Acontece que John é namorado da cozinheira (Samantha Morton) e, a princípio, afasta-se como o diabo da cruz. Aos poucos, a situação se inverte. John passa a dominá-la pondo a relação em pratos limpos. Liv não ousa na montagem para o cinema e entrega à plateia uma espécie de teatro (bem) filmado, com atuações no ponto certo e diálogos cortantes. Estreou em 21/5/2015.
    Saiba mais
  • No mesmo ano do lançamento de E.T. — O Extraterrestre, o diretor Steven Spielberg, apenas como roteirista e produtor, estreou Poltergeist — O Fenômeno. Ambos os filmes, de 1982, marcaram época. Poltergeist deu uma revitalizada nas histórias sobrenaturais e, até hoje, possui um cena emblemática — a da garotinha tocando uma tela de TV e conversando com “amiguinhos imaginários” do outro lado do tubo. Por mais que a refilmagem apresente a mesma sequência e siga o roteiro original, tudo conspira contra o remake. A trama gira em torno da família Bowen. Como o patriarca, Eric (Sam Rockwell), perdeu o emprego, eles são obrigados a mudar para uma casa modesta. Lá, fatos estranhos têm início, e a situação piora numa noite em que Eric e a esposa (Rosemarie DeWitt) saem para jantar. A filha adolescente (Saxon Sharbino) fca presa numa gosma negra e seu pequeno irmão (Kyle Catlett) entra em desespero ao ser capturado pelos galhos de uma árvore. Após o sumiço da caçula (Kennedi Clements), o casal pede ajuda a um trio de caça-fantasmas para detectar o problema. Além da frágil tensão e do insípido clima de suspense, o novo Poltergeist carece de carga dramática. Uma resolução sem clímax só tende a tornar o programa bastante dispensável. Estreou em 21/5/2015.
    Saiba mais
  • O trabalho de Vicente (Lázaro Ramos) consiste em buscar fotos, cartas ou objetos de estranhos para forjar o passado de clientes. Um deles (interpretado por Anderson Müller), por exemplo, é virgem e fez cirurgia de redução de estômago. De visual novo, quer encontrar uma namorada se fazendo passar por um cara divorciado. Mas o protagonista terá de encarar uma tarefa mais complicada a seguir. Uma misteriosa mulher (papel de Alinne Moraes) busca por uma nova identidade e, em sua vida pregressa, deseja ter cometido um crime. Inspirado no livro homônimo do escritor angolano José Eduardo Agualusa, O Vendedor de Passados tem uma premissa instigante e produção vistosa da Conspiração Filmes. As qualidades param por aqui. Nada crível e de desenrolar emperrado, a história passeia do drama ao suspense, do romance à fantasia sem conseguir avançar em nenhum dos gêneros. Vale o aviso: o risível desfecho pode causar desgosto na maioria. Estreou em 21/5/2015.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO