Roteiro

Uma seleção de programas refrescantes ao longo das ciclofaixas

Selecionamos diversas opções de parques, casas de sucos, bares, restaurantes, day uses em hotéis e cinemas com ar condicionado potente

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

ciclofaixa_paulsita
Ciclofaixa da Avenida Paulista: ciclistas aproveitam dia de sol (Foto: Guilherme Lima)

Se existem dois programas paulistanos que combinam como calor são as ciclofaixas e tudo o que elas oferecem de mais refrescante em seus 120,4 quilômetros de extensão: diversas opções de parques, casas de sucos, bares, restaurantes, day uses em hotéis, museus e cinemas com ar condicionado potente.

+ Um passeio pela ciclofaixa do Centro e suas atrações

Confira os roteiros sugeridos por VEJA SÃO PAULO, divididos pelos respectivos trechos das rotas:

VERGUEIRO/ LIBERDADE/ CENTRO

Posto do Açaí: o lugar não é lá muito convidativo: apertado entre dois postos de gasolina. Mas há nove anos serve um açaí para ninguém botar defeito, além de sucos e lanches leves. Pegue uma das mesinhas de fora, com vista para a bela construção da Catedral Metropolitana Ortodoxa.

Rua Vergueiro, 1694, Paraíso, tel. 5579-2235. 8h/18h.

Feira da Liberdade: até o Natal, irá abrir de quinta a domingo, das 9h às 18h. Dá para fazer comprinhas sob a sombra das barraquinhas que vendem desde plantas até roupas, além de comer guiozas ou yakissobas na parte de alimentos.

+ Ciclofaixa de lazer celebra cinco anos com selfies e passeio

Chi Fu: se o calor não estiver dando trégua, prefira o salão amplo e com ar condicionado no grau máximo desse restaurante chinês. Vencida a barreira da comunicação com os garçons (que, em sua maioria, não falam português), delicie-se com os pratos baratos e bem servidos.

Café Girondino: a pausa no centro fica muito mais aprazível no café em frente ao Mosteiro de São Bento. Há opções de pratos quentes, lanches, salgados e vários tipos de cafés, inclusive, gelados. 

Centro Cultural Banco do Brasil no centro da cidade
Pit-stop no centro: Centro Cultural Banco do Brasil (Foto: Divulgação)

Centro Cultural Banco do Brasil: o prédio do CCBB vale tanto por sua arquitetura, quanto por suas exposições e café. Até o dia 15 de dezembro, é possível visitar a mostra Pequenas Histórias da Vanguarda - Downtown New York, que explora a história e o legado da cena cinematográfica underground No Wave, que se desenvolveu em Nova York entre 1976 e 1987.

PAULISTA/ VERGUEIRO/ JABAQUARA/ INDIANÓPOLIS

Livraria Cultura: uma das unidades mais charmosas fica no térreo do Conjunto Nacional. Há espaço para as crianças e para os adultos lerem livros em poltronas, pufes e cadeiras. O espaço do café é disputado, mas há boas opções para matar a fome e se resfrescar.

Banana Split: a tradicional casa de sucos, na esquina da Avenida Paulista com a Rua Padre João Manuel, é parada obrigatória para se refrescar. Há dezenas de frutas da época expostas no balcão, que você pode combinar a gosto.

Alaska - Sorvete Gigante
Alaska: sorvete gigante tem um quilo e meio (Foto: Divulgação)

Alaska: desde 1954, a sorveteria funciona no Paraíso sob comando de Lino Seabra, um senhor octogenário. São cerca de 32 sabores da iguaria, entre eles, damasco e café. O sorvete Gigante, que serve até cinco pessoas, é irresistível.

■ Cinemas: Livraria Cultura, Itaú Augusta, Bristol, Cinemark do Shopping Paulista e Santa Cruz — nada como uma pausa com ar-condicionado.

+ Vídeo mostra motorista invadindo ciclofaixa

Casa na Praia
Casa na Praia, na Vila Mariana: varanda despojada (Foto: Mario Rodrigues)

Casa na Praia: dos mesmos donos do Pé no Parque, em Moema, e do Açaí, na Vila Olímpia, tem ambiente arejado e é ótimo para tomar um açaí na tigela ou um dos cinquenta sucos no fim da tarde.

REPÚBLICA DO LÍBANO/ HÉLIO PELLEGRINO/ QUATÁ/ OLIMPÍADAS

■ Feira livre: a diferença desta para as dezenas de feiras livres que existem na cidade é a arborizada Praça Edgard Hermelino Leite, onde ela acontece aos domingos. Para enganar o estômago, dá para pedir um pastel com um caldo de cana.

Rua Helion Povoa, 165, Vila Olímpia.

+ Prefeitura muda ciclofaixa em Higienópolis por pressão de restaurantes

Frutaria São Paulo: lanches e sucos naturais são a especialidade da casa. O ambiente aberto é ótimo para os dias quentes e ainda há uma área para estacionamento exclusivo de bicicletas.

Pé no Parque: o delicioso restaurante tem geralmente uma fila de espera generosa no horário de pico do almoço, mas vale a pena esperar: os sucos e as comidas naturais, além do ambiente fresquinho, fazem dele uma das melhores opções durante o verão. Depois de comer, estique-se no Parque do Ibirapuera.

Parque do Ibirapuera
Parque do Ibirapuera: quem não levou a bicicleta, pode alugar uma no local (Foto: Roberto Setton)

Parque do Ibirapuera: o cartão postal da metrópole permite o uso de bicicletas. Faça a rota do lago ou deixe-se levar pelas ciclovias. Há barraquinhas que vendem água de coco e sorvetes em toda a extensão.

+ Veja vídeo com dicas de segurança para pedalar à noite

PARQUES: DO POVO/ DAS BICICLETAS/ VILLA-LOBOS

Como o próprio nome antecipa, as principais atrações desse trecho da ciclofaixa são os parques. O Parque do Povo é pequeno, mas ótimo para caminhadas ou corridas: estacione por um instante a bike e curta, por exemplo, o Jardim Sensitivo, em que deficientes podem experimentar os aromas e texturas de plantas como hortelã, alcachofra e pimenta-de-cheiro.

Já o Parque das Bicicletas, nas imediações do Ibirapuera, em Moema, possui ciclovias, espaço para skate e patins e área para caminhadas e corridas. Espécies típicas da flora brasileira, como palmeiras, sebipirunas, ipês e pitangueiras colorem o parque.

Parque Villa-Lobos
Parque Villa-Lobos: esportes, bicicletas e piquenique (Foto: Elaine Cristina Mendes)

Um dos parques mais jovens da metrópole, o Villa-Lobos foi inaugurado em 2010 e conquistou uma legião de frequentadores assíduos, principalmente das zonas oeste e sul. Há espaço para piqueniques, quadras para jogar futebol, tênis, vôlei e, claro, ciclovias para bikes, patins e diversas variações sobre rodas. Se não tiver bicicleta, a dica é alugar uma por lá e, se quiser, sair pela ciclofaixa. 

ZONA SUL: AV. ÁGUA ESPRAIADA/ BERRINI/ FUNCHAL/ CHEDID JAFET/ GUARAPIRANGA

Cinema do JK Iguatemi: esse cinema de São Paulo é uma atração à parte: a tecnologia 4D da Cinépolis é capaz de fazer as poltronas sacolejarem, soltar um aroma condizente com o cenário do filme e até fazer chover. Isso sem contar a imagem em 3D, que dá a sensação de transportar o telespectador para dentro do filme. Fresquinho, fresquinho.

piscina do grand hyatt
Grand Hyatt: pague por dia para usar a piscina (Foto: Veja São Paulo)

Hotel Grand Hyatt: as piscinas internas e externas, sauna e academia podem ser utilizadas de segunda a sexta, das 6h às 22h, e aos fins de semana e feriados, das 7h às 22h. O cliente pode usar, ainda, a sauna seca, a área de ginástica e o vestiário. O pacote "day use" custa R$ 200,00 por pessoa, exceto em feriados. Quem aderir recebe também 20% de desconto nas massagens e 3 horas de estacionamento como cortesia. Reservas a partir de janeiro. 

Represa do Guarapiranga: o mais novo trecho da ciclofaixa tem 11,2 quilômetros: começa na Rua Funchal, segue pela ciclovia da Marginal Pinheiros e chega até a barragem localizada no sul da metrópole. Leve garrafinhas de água, barrinhas de cereal e uma canga, para espreguiçar-se a beira da represa.

ZONA NORTE: AV. SANTOS DUMONT/ ATALIBA LEONEL/ LUÍS DUMMONT VILLARES

Adega Original: o bar, aberto desde às 13 horas aos domingos, serve pratos e petiscos fartos. Escolha uma das mesas localizadas numa espécie de deck, em frente à chamada “Avenida Nova” pelos moradores da Zona Norte.

Sesc Santana: as unidades do Sesc são sempre uma boa pedida para a estação mais quente do ano, principalmente para quem tem carteirinha (se não for comerciário, há a possibilidade de se tornar usuário, pagando-se uma taxa de R$ 57,00, se o plano for individual, ou R$ 114,00, se for familiar). Com ela é possível fazer um rápido exame médico e refrescar-se na piscina olímpica. Se a ideia for apenas tomar um suco ou comer um lanche, há ótimas opções na lanchonete.

■ Parque Domingos Luis: a enorme praça em torno da estação Jardim São Paulo é pouco frequentada pelos moradores, mas um ótimo local para fazer caminhadas e até um piquenique.

Rua Cataguases, 808, Jardim São Paulo

Morro Paulicéia - Bares
Morro Pauliceia: bela vista da Zona Norte (Foto: Divulgação)

Morro Pauliceia: se tiver fôlego para subir a ladeira que dá acesso a este bar, a vista vai recompensar: as mesinhas localizadas ao fundo ficam num grande terraço voltado para a Av. Luís Dumont Villares. Mas se não for muito fã de sertanejo, mude a rota.

Mercure São Paulo Nortel: o hotel da Avenida Luís Dumont Villares também oferece day use. Por R$ 209,00 mais 5% de taxa de serviço, é possível utilizar a academia, a piscina e a sauna, das 6h às 18 horas. O café da manhã sai por R$ 30,00 por pessoa.

ZONA LESTE: AV. GOVERNADOR CARVALHO PINTO/ DOM HELDER CÂMARA/ CALIM EID

Dunas Bar: há dezenas de opções de suco, entre elas, graviola e tamarindo, além de sorvetes, beirutes e salgados. Aos domingos, a casa abre a partir das 17 horas e há apresentação de dança do ventre.

Barraca do Valdir: sucos variados e açaí na tigela são servidos em mesinhas na calçada.

R. Francisco Jacinto, 91, tel. 2684-6681. 8h/00h

Fonte: VEJA SÃO PAULO