Memória

Champignon, ex-baixista do Charlie Brown Jr., morre aos 35 anos em São Paulo

Músico foi encontrado morto com um tiro na cabeça em seu apartamento na Vila Sônia na madrugada de segunda (9)

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Ex-baixista da banda Charlie Brown Jr., Luiz Carlos Leão Duarte Junior, de 35 anos, mais conhecido como Champignon, foi encontrado morto com um tiro na cabeça em  seu apartamento, na Vila Sônia, na madrugada de segunda-feira (9). O corpo do músico foi enterrado no Cemitério Memorial de Santos, onde também está Chorão, na terça (10), às 15h. O velório teve início às 19h do dia anterior. 

+ ‘Charlie Brown sem o Chorão não existe’, disse Champignon

+ Relembre o ex-baixista do Charlie Brown Jr. em cinco vídeos

+ Personalidades lamentam a morte do músico; leia repercussão

A Polícia Militar afirma que foi acionada à 0h17 por vizinhos que ouviram o disparo. Ao chegar ao local, encontraram o artista já morto, com um tiro na cabeça. O caso foi registrado na 89º DP como suicídio consumado. 

O corretor Alexandre Benaion, vizinho de porta de Champignon, foi o primeiro a entrar no apartamento. Ele conta ter ouvido o disparo, o barulho de algo caindo e imediatamente depois, os gritos de Cláudia Campos, a mulher do músico. Ao entrar no apartamento, encontrou Champignon em um quarto onde eram guardados seus instrumentos musicais. "Abri a porta e a Cláudia gritava 'me ajuda'. Assim que entrei no apartamento, ela caiu no chão porque estava muito nervosa. Ele estava em um quarto, caído com a arma na mão e cheio de sangue na cabeça."

Benaoin chamou a polícia e esperou com Cláudia a chegada de amigos. Grávida de cinco meses, ela foi levada em estado de choque ao Hospital Metropolitano, na Zona Oeste da cidade. Depois de atendida, ela foi liberada, às 6h50. 

"Uma vez ele veio aqui em casa, tocou umas músicas e ficamos conversando. Ele falou sobre o Charlie Brown, disse que estava triste por causa do Chorão, mas nunca imaginei que algo assim pudesse acontecer", conta o vizinho.

Em depoimento à polícia, a mulher do músico relatou que eles tiveram uma briga no restaurante onde jantaram com um casal de amigos na noite de domingo (8). Eles beberam duas garrafas de saquê no local. Ao chegar em casa, Champignon se trancou no quarto onde guardava seus instrumentos e não a deixou entrar. Antes de atirar em sua própria cabeça com uma pistola 380, o músico teria feito um disparo com a mesma arma para testá-la –um projétil foi encontrado no chão, próximo à janela. Além da pistola, registrada em seu nome, ele tinha uma espingarda.    

De acordo com o SPTV, a Polícia Civil informou que ele passava por dificuldades financeiras. Funcionários do prédio afirmaram que eles eram um casal tranquilo e que nunca ouviram discussões. Além da mulher grávida, ele deixa uma filha de sete anos de outro relacionamento. 

A morte de Champignon ocorre pouco mais de seis meses após a do líder da banda, Alexandre Magno Abrão, 42, o Chorão, encontrado morto em seu apartamento em Pinheiros. 

Champignon Mulher Claudia Bossle Campos
Champignon e a mulher Claudia Campos: foto postada por ela no Facebook na manhã de domingo (8) (Foto: Reprodução)

"A Banca"

Champigon era vocalista da banda "A Banca", criada por ele em abril em homenagem ao parceiro Chorão. Marcão (guitarra), Thiago Castanho (guitarra), Bruno Graveto (bateria) e Lena (baixo) completavam o quinteto, que estreou nos palcos em Lorena, interior paulista, em maio deste ano, com ingressos esgotados.

"Dar esse passo [sem ele] está sendo triste. Mas a gente tem um público muito grande, temos a obrigação de continuar. Ele não ia gostar se a gente parasse. Em respeito a ele a gente a gente continua, para honrar tudo o que fizemos até hoje", disse Champigon em entrevista à VEJASAOPAULO.COM dias antes da Virada Cultural, ainda em maio. 

O último disco do Charlie Brown Jr., La Familia 013, gravado antes da morte de Chorão, deve chegar às lojas ainda em setembro. As treze faixas do álbum, o décimo do grupo, foram gravadas pela formação Chorão (vocais), Champignon (baixo), Bruno Graveto (bateria), Marcão e Thiago Castanho (guitarras). Meu Mundo Novo e Um Dia a Gente se Encontra, duas músicas do disco, já foram lançadas.

"A gente pretende entrar em estúdio mesmo com "A Banca" no fim do ano ou no começo do outro, e lançar o trabalho depois do carnaval. É o que temos conversado, mas tudo pode mudar", afirmou Champignon. No dia 24 de agosto, a nova banda lançou seu primeiro single, O Novo Passo. Eles tinham shows marcados até novembro, incluindo o Sampa Music Festival, na capital paulista, e a edição carioca do Circuito Banco do Brasil. 

A Banca Charlie Brown Jr Chorão
Champignon à frende de "A Banca": banda formada em homenagem a Chorão (Foto: Divulgação)

Charlie Brown Jr.

Nascido em Santos, Champignon formou o Charlie Brown Jr. em 1992 com Chorão, que havia acabado de se mudar para a cidade litorânea. "Quando a gente começou era um bando de moleque do skate que tinha uma fita demo e um sonho, que era fazer o mundo ouvir a nossa história", lembrou o baixista. Mais tarde vieram Pelado, Marcão e Thiago Castanho. O grupo, que teve diversas formações desde então, lançou nove álbuns de estúdio, dois CDs ao vivo, duas coletâneas e seis DVDs.

O estouro veio cinco anos mais tarde, com Transpiração Contínua Prolongada, que vendeu 500 mil cópias na época, um explosivo combinado rebelde de rock, rap e reggae. Lançado pela gravadora Virgin e produzido por Rick Bonadio, o disco de estreia tomou as rádios com os hits Proibida pra MimTudo que Ela Gosta de Escutar O Coro Vai Comê!. Do segundo álbum, Preço Curto... Prazo Longo, de 1999, saiu o sucesso Te Levar, que foi trilha de abertura da novela teen Malhação, da Globo, de 1997 a 2006.

Apesar das encrencas e separações, o Charlie Brown continuou a fazer sucesso. Tamo aí na Atividade, de 2004, e Camisa 10 (Joga Bola até na Chuva), de 2009, por exemplo, ganharam o Grammy Latino de melhor disco de rock. Em 2012, a banda lançou seu último registro, Música Popular Caiçara (ao vivo), que marcou o reencontro com os integrantes Marcão e Champignon, que haviam deixado o conjunto em 2005.

A partir daí, ele formou a banda Revolucionários e a Nove Mil Anjos –a última teve como integrantes Junior Lima, da dupla Sandy e Junior, e Peu Sousa, ex-guitarrista da Pitty, encontrado morto em seu apartamento em maio. O músico voltou ao Charlie Brown em 2011.

Nesta manhã, um comunicado foi publicado na página oficial do Charlie Brown Jr.: "A Família Charlie Brown Júnior comunica, com pesar, o falecimento do baixista Champignon, que participou de grande parte das formações da banda. Desde já agradecemos todas as manifestações de apoio dos fãs neste momento doloroso, e externamos nosso apoio à esposa, filha e todos os demais familiares."

A página da banda "A Banca" também lamentou a perda: "É com muita tristeza que a família A Banca, amigos e família comunicam o falecimento de Luiz Carlos Leão Duarte Junior, nosso Champignon. O momento é de muita dor, tristeza e saudade. Agradecemos a todos pelas mensagens de apoio e carinho, no momento ainda não temos muitas informações. Fique em paz Champs, nosso eterno guerreiro."

Charlie Brown Jr. Rick Bonadio
O baixista Champigon (à esq.): 'Charlie Brown sem o Chorão não existe' (Foto: Divulgação)

Fonte: VEJA SÃO PAULO