Crime

Casal dono de motel é baleado por cliente que não quis pagar a conta

A PM montou um cerco e conseguiu capturar o suspeito, que negou ter atirado no casal. A mulher morreu no local e seu marido está internado em estado grave

Por: Andreza Monteiro

Caso Itatiba motel
PM foi acionada logo pela manhã e, ao chegar no local, o homem já teria fugido (Foto: Reprodução/TV Globo)

Os proprietários de um motel que fica na cidade de Itatiba, região metropolitana de Campinas, foram baleados por um cliente na manhã desta sexta-feira (2). Segundo informações da Polícia Civil, as vítimas são um homem e uma mulher, que seriam casados. Eles não tiveram os nomes divulgados. O cliente suspeito pelo crime, Renato Araújo Barbosa, teria feito os disparos após um desentendimento na hora de pagar a conta.

De acordo com o boletim de ocorrência, o acusado teria se irritado ao ser cobrado pelo valor da diária, que estaria alto, e também por tentar realizar o pagamento com o cartão do banco, sem sucesso. Neste momento, o proprietário do estabelecimento teria solicitado que Barbosa resolvesse a questão antes de ir embora, e liberado apenas a mulher que estava com ele.

+ Bicicletas roubadas vão ter 'placa' registrada em B.O.

Os dois teriam discutido e partido para a agressão física. Então, Barbosa teria pego um revólver - que ainda não se sabe se era dele ou de alguma das vítimas - e disparado contra o casal. A mulher não resistiu aos ferimentos e faleceu no local. Até a tarde de sexta-feira (2), seu marido continuava internado em um hospital da região, em estado grave.

+ Polícia prende foragido acusado de depredar viatura em protesto

Após o crime, segundo a polícia, Barbosa fugiu em uma motocicleta; porém, logo foi capturado em um cerco montado pelos policiais na Rodovia Dom Pedro. Ele ainda teria resistido à prisão e negado ser o autor do crime, mas foi detido em flagrante e encaminhado para a Delegacia de Itatiba. A arma utilizada ainda não foi localizada.

O acusado possui algumas passagens por roubo e também já cumpriu pena anteriormente em regime fechado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO