A Opinião do Leitor

Cartas da edição 2362

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Capa edição 2363
(Foto: Divulgação)

› Carnaval

Os blocos de rua me fazem resgatar a época de infância, quando brincávamos de forma inocente e descontraída, com confete e serpentina (“A avenida vai para as ruas”, 26 de fevereiro). Os Carnavais de rua que São Paulo tinha eram nostálgicos e antológicos e faziam nossa cidade mais alegre e mais colorida. Que bom que os cordões voltaram! Ruvin Ber Singal

› Política

É vergonhosa e irresponsável a gastança efetuada pela Câmara dos Vereadores de São Paulo, que usa sem nenhuma restrição nem bom-senso o dinheiro do contribuinte (“A política da gastança”, 26 de fevereiro). O comedimento nos gastos deveria ser exemplo, o que não é. Entretanto, serão palavras ao vento, pois nada vai mudar, a não ser o gasto, que pode ser maior nos próximos períodos. Pedro Fortes

Enquanto o povão de São Paulo não tem um sistema de saúde de qualidade, sofre com educação de mentira e conta com salário mínimo, que não dá nem para a comida direito, nossos políticos compram 22 aparelhos de TV de 55 e 70 polegadas ao custo de 50 000 reais para assistir aos jogos da Copa do Mundo. Antonio Leme Filho

Que vergonha! Usurpadores do nosso suado dinheiro. Pagamos impostos tão altos para esses senhores ceifarem os cofres da cidade com gastos fúteis e desnecessários. Que belo exemplo de parlamentares temos no Brasil: só pensam em seu umbigo e se esquecem dos cidadãos que nem remédio nos postos conseguem. Maria Lopez

Que maravilha essa nossa Câmara dos Vereadores! Qual prestador de serviços e fornecedor de produtos não gostaria de tê-la como cliente? Com o preço camarada que se paga ali, até eu! Petuel Preda

› Negócios

A reportagem “A Michael Kors da Mooca” (26 de fevereiro) diz que as bolsas da marca Fellipe Krein ganham espaço no mercado popular da cidade e estão sendo adquiridas pela classe C. Desde quando a classe C compra esse tipo de produto na faixa dos 400 reais? Mercado popular para mim é o da Rua 25 de Março. Lá, existem bolsas grandes a partir de 50 reais e pequenas a partir de 25 reais. Ivone Armando

› Mistérios da Cidade

Como é triste ver obras bonitas como a Praça Roosevelt, feitas para o povo aproveitar, sendo rapidamente estragadas pela inoperância do poder público e dos órgãos fiscalizadores (“A praça era nossa”, 26 de fevereiro). Antonio Jose Marques

› Rede Social

Em “Um passeio pelo centro” (26 defevereiro), fala-se sobre a excelente doceria Casa Mathilde. É pena ela estar mal localizada. Quando vou até lá, evito passar pela Praça da Sé e cercanias. Da última vez que circulei por esses lugares, fiquei o resto do dia aborrecido ao ver a minha cidade tão degradada. Fausto Adami

› Matthew Shirts

Sou leitora assídua da coluna. Achei muito divertida a crônica “É lanche” ( 26 de fevereiro). Parabéns! Wilma Joanna

Acho que você precisa definir comida melhor, Matthew. Não me convenceu. Quando como hambúrguer, dou preferênciaa os bons, como o do America, do General Prime Burger... Já que vou chutar o balde, que valha a pena! Eles costumam ser grandes, por isso como com garfo e faca. Então é comida, certo? Paula Bogar Sylvestre

Que bom que temos os espertos, que questionam situações que talvez nunca questionássemos sozinhos e nos fazem refletir sobre isso. Hebe Gomes Dorado

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente.

Redes Sociais: facebook.com/vejaspe @vejasp (twitter)

Atendimento ao leitor: ☎ (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: ☎ (11) 5087-2112

Atenção: Ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO.

Fonte: VEJA SÃO PAULO