Diversão

Bufê sem aniversário

Espaços destinados a festas viram opção de lazer para a criançada

Por: Mariana Barros

Bufê sem festa - Diversão 2258
Tropical Kids: diária em torno de 60 reais nos meses de férias (Foto: Fernando Moraes)

A cena é a mesma de qualquer festinha infantil: crianças fantasiadas correm de um lado para o outro, comem cachorro-quente, bebem refrigerante e aguardam ansiosas para ir outra vez aos brinquedos mais legais do pedaço. Mas, ao contrário do que ocorre nesse tipo de reunião, não há nenhum aniversariante. Os pequenos estão ali apenas para se divertir — sem bolo nem brigadeiro — e dar umas horas de sossego às mães. Apesar da agenda concorrida, alguns bufês paulistanos têm aproveitado as poucas brechas de horários disponíveis para promover pacotes por hora. O serviço ocorre principalmente durante as férias de janeiro e julho, mas já vem sendo oferecido em outras épocas do ano.

+ Conheça maneiras diferentes de comemorar com os pequenos

+ Bufês infantis: cinquenta bons endereços

+ 28 maneiras diferentes de fazer uma festa

+ Salgadinhos de grife para crianças afortunadas

 

O pequeno Alexander, de 6 anos, um dos filhos do ex-jogador Ronaldo Fenômeno, já perdeu a conta das vezes em que foi brincar no Magic Forest, nos Jardins, a poucos metros de onde mora com a mãe, a esteticista Michele Umezu. “Virou o quintal da nossa casa, e só no ano passado viemos aqui mais de dez vezes”, diz ela. Em uma recente quinta-feira, Alex reuniu novamente os amigos no local. O encontro serviu de despedida, já que ele e a mãe vão se mudar para o Rio de Janeiro nas próximas semanas. O novo endereço, presente de Ronaldo para o filho, será um apartamento na Barra da Tijuca, perto da casa de Sônia Nazário de Lima, mãe do antigo craque, e dos primos. “Será ótimo para o Alex ter essa convivência familiar”, acredita Michele. Enquanto isso, dá-lhe bufê.

Alexander, filho de Ronaldo Fenômeno - Bufê sem festa - Diversão 2258
Alexander, filho de Ronaldo Fenômeno: mais de dez idas ao Magic Forest só para brincar (Foto: Fernando Moraes)

No Magic Forest, por cerca de 500 reais a hora, é possível alugar apenas a infraestrutura, como se fosse um parquinho particular. A locação não inclui comes e bebes nem monitores. “A mãe fica responsável por olhar os pequenos e pode servir o que quiser”, explica a proprietária Luana Montes Mendes. O pacote tem duração média de quatro horas e sai por 2.000 reais, valor bem inferior aos 8.000 reais cobrados pelo espaço para festinhas com tudo incluso para até 100 convidados.

Outro endereço em que a farra acontece mesmo quando não há aniversário é o Toys & Dolls, em Moema. No fim do ano passado, ele foi escolhido para a confraternização de um grupo de dez mães, que, juntas, desembolsaram 2.800 reais para deixar seus pimpolhos brincando durante três horas. No cardápio, apenas alguns salgados, doces e bebidas, servidos com uma variedade bem menor do que a das festas completas, nas quais são cobrados 4.990 reais por quatro horas de diversão.

Também em Moema, o Mega Circus tem diárias de recreação em janeiro e em julho. Para deixar as crianças aos cuidados de monitores, que organizam gincanas e atividades, os pais desembolsam cerca de 90 reais por quatro horas. Após passar por uma reforma, o Tropical Kids retomará o programa de diárias em julho, com preço previsto de 60 reais.

Mega Circus - Bufê sem aniversário - Diversão 2258
Mega Circus: os monitores cuidam dos pequenos e fazem gincanas (Foto: Fernando Moraes)

Lanche e oficinas de pintura e escultura estão inclusos na diária do bufê Fun Club, que se encarrega de entreter os pequenos de segunda a sexta, das 13h30 às 17h30, por 40 reais ao dia nos meses de férias escolares. “A procura pelo serviço é tanta que nem fazemos mais divulgação”, afirma a gerente Camila Sarmento.

Fun Club - Bufê sem aniversário - Diversão 2258
Fun Club: só nas tardes de segunda a sexta (Foto: Fernando Moraes)

+ Confira os programas para fazer com a criançada

+ As melhores peças infantis em cartaz

Usar um desses lugares fora do script da festinha traz outra vantagem: os pais podem fugir das frituras e dos docinhos enrolados para chamar quem sirva as bebidas e o cardápio de sua preferência. “Já tivemos mães que contrataram sommelier e até bufê japonês”, revela Luana, do Magic Forest. A pedagoga Cristine Zacher aproveitou a visita de parentes que moram na Alemanha e encomendou um menu típico, enquanto os três filhos se esbaldavam nos brinquedos. “Ir ao bufê foi uma maneira diferente para todo mundo se divertir”, diz ela.

Fonte: VEJA SÃO PAULO