Música

BMW Jazz Festival reúne solos e improvisos

Em nova casa, o evento mantém boas atrações e tenta preservar o clima intimista

Por: Carol Pascoal

BMW Jazz Festival 2272
Trombone Shorty, de 26 anos: a revelação vinda de Nova Orleans deve surpreender (Foto: Jane Richey)

Bastaram poucas horas para que desaparecessem os ingressos da primeira edição do BMW Jazz Festival, realizada há um ano no Auditório Ibirapuera. Embora confortável, o espaço tem capacidade para 800 pessoas por noite — um número baixo diante da relevância das atrações presentes naquela ocasião, entre elas o baixista Marcus Miller, o saxofonista Wayne Shorter e a cantora-furacão Sharon Jones. A corrida por bilhetes e o sucesso do projeto levaram a organização a mudar o endereço de sua segunda edição.

+ Confira uma entrevista com Trombone Shorty, uma das atrações do festival

+ BMW Jazz Festival anuncia atrações gratuitas no Parque do Ibirapuera

+ BMW Jazz Festival está marcado para junho no Via Funchal

Com uma capacidade quase quatro vezes maior, o Via Funchal, na Vila Olímpia, recebe o evento entre sexta (8) e domingo (10). “Não esperávamos uma procura tão violenta em 2011, o que demonstrou como o público de São Paulo estava saudoso de um festival de jazz”, diz a produtora Monique Gardenberg. Curiosidade: ela era a figura responsável pelos extintos Free Jazz, que movimentou a cidade de 1985 a 2001, e Tim Festival, na agenda dos paulistanos entre 2003 e 2008.

BMW Jazz Festival 2272
Lenny White, Chick Corea e Stanley Clarke: músicos consagrados (Foto: Martin Philbey)

O grande desafio será manter o clima intimista numa casa com 3.075 lugares. “Sabemos que os fãs do gênero são exigentes. Assim, os garçons só vão servir antes dos shows e nos intervalos”, explica Monique. Mais jazzística em relação à última etapa, que mesclou vertentes como soul, gospel e influências afro-brasileiras, a programação atual traz nomes consagrados. Entre eles, o saxofonista Charles Lloyd, músico de vanguarda que se apresenta com seu quarteto, e o pianista Chick Corea, que integrou a banda elétrica de Miles Davis e toca ao lado do baixista Stanley Clarke e do baterista Lenny White. O saxofonista Maceo Parker é outro bom exemplo. Membro do grupo de James Brown durante anos, são dele os solos das antológicas “Cold Sweat” e “Papa’s Got a Brand New Bag”.

BMW Jazz Festival 2272
Charles Lloyd, que toca com seu quarteto: vanguarda do jazz (Foto: Divulgação)

Mesmo com essa seleção, o BMW Jazz Festival tem como objetivo exaltar instrumentistas da nova geração. “Queremos mostrar o que há de mais atual no meio e apostamos em nomes promissores”, conta Zuza Homem de Mello, curador ao lado de Zé Nogueira e Pedro Albuquerque. Além do trompetista californiano Ambrose Akinmusire, o virtuoso trombonista Troy Andrews, mais conhecido como Trombone Shorty, deve surpreender e levantar a plateia. Nascido em Nova Orleans, o rapaz de 26 anos está na lista de artistas que despontaram para o mundo depois que o furacão Katrina devastou sua cidade, em 2005. Trombone Shorty é tão importante para a região que sua foto estampou um dos pôsteres do tradicional evento local New Orleans Jazz & Heritage Festival, realizado entre o fim de abril e o começo de maio.

Quem não conseguir garantir um lugar no Via Funchal poderá conferir a exibição gratuita e ao ar livre, marcada para o domingo (10), no Parque do Ibirapuera. Além de Maceo Parker, também deve agitar o público o quinteto The Clayton Brothers.

BMW Jazz Festival 2272
O saxofonista Maceo Parker: apresentação também ao ar livre e de graça (Foto: WDR/Ines Kaiser)

AQUI, JAZZ

VIA FUNCHAL

Sexta (8)

■ Ambrose Akinmusire Quintet

■ Toninho Ferragutti e Bebê Kramer

■ Chick Corea, Stanley Clarke & Lenny White

Sábado (9)

■ The Clayton Brothers

■ Trombone Shorty & Orleans Avenue

■ Maceo Parker e os convidados Fred Wesley & Pee Wee Ellis

Domingo (10)

■ Darcy James Argue’s Secret Society

■ Ninety Miles

■ Charles Lloyd Quartet

PARQUE DO IBIRAPUERA

Domingo (10)

■ Maceo Parker

■ The Clayton Brothers

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO