Esporte

Anderson Silva quebra silêncio e diz que "não sabe do que se desculpar"

Em sua rede social, ex-campeão dos pesos médios do UFC nega doping e diz que espera que resultados dos exames revelem a verdade

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Anderson Silva
Anderson Silva: teste antidoping apontou usou de esteroides anabolizantes (Foto: Reprodução Instagram)

Pego em exame antidoping, o lutador Anderson Silva usou seu perfil no Instagram para falar sobre o caso, que culminou com sua suspensão temporária. Na madrugada desta sexta-feira (20), o ex-campeão dos pesos médios do UFC afirmou sempre ter “lutado limpo”. “Em dezoito ano de carreira, eu nunca tive problemas com meus exames [antidopings]” dentro ou fora do octógono.”

Apontado por especialistas como o melhor lutar de MMA do mundo, Anderson Silva duelou contra o americano Nick Diaz no dia 31 de janeiro, em Las Vegas, após ter ficado afastado das lutas por mais de um ano ao fraturar a perna durante combate. Em testes realizados fora de competição, foram apontados o uso de esteroides anabolizantes.

+ Confira as últimas notícias

Em seu post nesta madrugada, o brasileiro afirmou ainda que ainda espera “o resultado dos exames [de contraprova] e as análises de especialistas que estão trabalhando para revelar a verdade”, escreveu ele. “Tudo o que tomei desde a minha lesão está sendo analisado. Quero a verdade tanto quanto todo mundo. Não sei do que me desculpar.”

Suspensão

Na última terça-feira (17), a Comissão Atlética de Nevada (Estados Unidos) decidiu, por unanimidade, suspender o lutador. A decisão da comissão impede que Anderson participe de lutas até a conclusão de seu julgamento, previsto para ocorrer entre março e abril deste ano. Seu adversário no combate de 31 de janeiro, o americano Nick Diaz, também foi suspenso pelo uso de maconha.

Exame antidoping realizado fora de competição, no dia 9 de janeiro, apontou que o brasileiro havia feito uso do esteroide anabolizante drostanolona e de androsterona. O resultado desse teste saiu algumas horas após a luta. Um segundo exame, realizado em 19 de janeiro, não apontou a utilização das substâncias. O resultado, porém, não serve de contraprova.

Já em testes realizados no dia da luta, além dos esteroides, também foram encontradas medicações para combater a ansiedade e a insônia.

Fonte: VEJA SÃO PAULO