Direitos Humanos

Alunas de medicina da USP relatam estupros em festas estudantis

Em depoimento na Assembleia Legislativa, elas denunciaram casos de violência sexual e exitência de "cultura machista" entre universitários

Por: Veja São Paulo

Assembleia Legislativa
Estudante da USP depuseram na Assembleia sobre casos de violência sexual ocorridos em festas (Foto: Thiago Vieira/Folhapress)

Duas alunas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) relataram nesta terça-feira (11) casos de estupro sofridos em festas promovidas por alunos da instituição na capital. Os depoimentos foram feitos em audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo e tiveram como objetivo denunciar casos de violência sexual e a existência de uma "cultura machista" entre os universitários.

Foi a primeira vez que as alunas falaram em público sobre os episódios - depoimentos sobre os casos já haviam sido feitos anonimamente. Uma estudante do 4° ano, de 24 anos, afirmou que sofreu dois estupros em 2011 em festas organizadas pela Associação Atlética Acadêmica Oswaldo Cruz (AAAOC).

A jovem, que preferiu não ser identificada, integra o grupo feminista Geni, que luta pelos direitos das mulheres. Um dos episódios, segundo ela, ocorreu na semana de inserção de calouros. Ao fim da festa, foi abordada por um rapaz, que disse que a acompanharia na saída, por estar embriagada. "Fui puxada para uma sala de materiais escura. Ele começou a me agarrar, tentar me beijar e abaixou minha calça."

A jovem disse que, na época, preferiu não levar o caso adiante e não contou a ninguém do ocorrido. Outro episódio ocorreu na festa Carecas no Bosque, também em 2011, que foi feita em uma área de propriedade da USP.

A universitária estava na festa com o atual namorado. De madrugada, foi a uma barraca onde eram oferecidas bebidas alcoólicas e adormeceu. Foi quando um funcionário terceirizado da festa entrou na barraca e a estuprou. "Eu estava desacordada. Descobri que o funcionário conseguiu entrar na barraca porque ele deu dinheiro para os seguranças."

O episódio foi visto por um amigo, que expulsou o rapaz e contou a ela o que tinha acontecido. Outra estudante, que preferiu não ter o nome identificado, contou que sofreu estupro na festa Cervejada, em 2013, também organizada pelos estudantes de medicina.

Ela disse ter sido abordada por dois alunos, do 4º e 5º anos, que a chamaram para beber no carro de um deles. Quando a jovem foi até o local, disse ter sido agarrada. "Passaram a mão nas minhas partes íntimas. Eu gritei para que parassem e continuaram."

Sem apuração

A reclamação das estudantes é de que nenhum dos casos foi apurado e, ao fazer qualquer denúncia, há perseguição dos alunos, que não acreditam nas histórias. De acordo com os estudantes de Medicina ouvidos na audiência pública, a violência sexual é "internalizada" na cultura da FMUSP logo no primeiro ano.

A aluna Ana Luísa Cunha, do Geni, relatou a forma como os trotes são feitos. "Eles separam as meninas dos meninos, colocam elas sentadas no chão e formam uma roda em volta, em pé." Na sequência, os rapazes - na maioria, veteranos - entoam um hino que faz apologia ao estupro. "Muitas delas falam que ficam com muito medo", disse a estudante.

Inquérito

O Ministério Público Estadual solicitou à FMUSP, há dois meses, informações sobre casos de trotes violentos e violação de direitos humanos em festas. Um inquérito foi instaurado no fim de agosto, pela promotora Paula Figueiredo Silva, depois de receber denúncia de estudantes.

"Queremos fortalecer os mecanismos de apuração da repressão. A universidade não deve apenas dar o ensino técnico, mas formar o cidadão", disse a promotora na audiência pública.

A Atlética Oswaldo Cruz informou que ainda está se organizando para comentar as declarações das estudantes. Ao fim da reunião, a Faculdade de Medicina foi procurada, mas não respondeu aos pedidos da reportagem. (Com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO