Justiça

Advogada pede liberdade de funcionário do Mackenzie preso por estupro

Antônio Bosco de Assis está detido desde maio sob a acusação de ter violentado três alunas de 3 anos de idade

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Protesto Mackenzie Pedofilia
Manifestação a favor da liberdade de Assis foi realizada nesta segunda (Foto: Fabio Braga / Folhapress)

A advogada Anabella Marcantonatos entrou nesta segunda (24) com um pedido de habeas corpus em favor de Antônio Bosco de Assis, ex-funcionário do Colégio Presbiteriano Mackenzie, em Tamboré, preso desde maio sob a acusação de ter violentado três alunas de 3 anos de idade. O objetivo é que ele responda ao processo em liberdade.

"O pedido será distribuído nesta terça, bem cedo, e tenho esperança de que meu cliente seja solto antes do fim do dia", diz Anabella.A Justiça já negou uma solicitação de habeas corpus para Assis, em agosto, requerido por um outro advogado que estava no caso. "O outro pedido estava frágil", completou a advogada.

+ Em ato, pais defendem a inocência de funcionário acusado de estupro

Nesta tarde, cerca de dez mães e pais de alunos da escola fizeram um ato para defender a inocência do ex-funcionário de 44 anos, que tinha como atribuição auxiliar os professores em aulas e atividades recreativas.

Ele está preso com base nos relatos das três crianças de 3 anos, que disseram, segundo os acusadores, ter sido tocadas por ele. Não há prova em vídeo, em exame sexológico ou testemunhas. O Mackenzie, que demitiu Assis após as acusações, não se pronunciou.

Fonte: VEJA SÃO PAULO