Cidade

Grupo pró-intervenção militar acampa na região do Ibirapuera

Movimento está instalado há cinco meses no local. Historiadora da USP diz que pedido é "absurdo"  

Por: Sérgio Quintella - Atualizado em

Acampamento intervenção militar
Apoiadores da intervenção militar no Brasil acampam em frente ao Exército (Foto: Sérgio Quintella)

Sentadas em volta de uma mesa onde estão dispostos café, água e bolacha, três senhoras visualizam um soldado permanentemente a postos, observando tudo o que passa adiante. Às vezes, dois deles estão de prontidão. 

Prefeitura quer mudar nomes de ruas ligados à ditadura

Os militares estão lá para vigiar uma das entradas do Comando Militar do Sudeste, área do Exército que ocupa um quarteirão inteiro em uma das regiões mais valorizadas da cidade: o Ibirapuera. Do outro lado da rua, está a Assembleia Legislativa, também apoderando-se de uma quadra completa.

As três mulheres, Elizabeth Leme, Laura Narciso e Elisa Pessoa, têm duas coisas em comum. A primeira é a profissão: “intervencionista”. “Aqui dentro ninguém é advogado, professor, médico. Somos todos intervencionistas”, diz uma delas. A segunda circunstância que as une é a vontade pela volta dos militares ao comando do Brasil.

O trio faz parte de um grupo de cem pessoas que se revezam em um acampamento montado, desde 9 de julho deste ano, na Avenida Sargento Mário Kozel Filho, paralela à Pedro Álvares Cabral, via que margeia o parque que dá nome ao bairro. Procurado, o Comando do Exército informou que não comenta o caso.

Luana Piovani comenta desabafo de Fabio Jr sobre corrupção e provoca polêmica

O local escolhido, assim como a data (Revolução Constitucionalista), tem um motivo. Em 1968, o militar Kozel foi morto em um ataque praticado pela Vanguarda Popular Revolucionária - liderada por Carlos Lamarca e que já teve a presidente Dilma Rousseff como integrante.

O acampamento tem nome: Posto de Resistência Mário Kozel Filho, apelidado internamente de PR-1.

Acampamento intervenção militar
Placa em homenagem a militar morto em 1968 (Foto: Sérgio Quintella)

No PR-1, quando VEJA SÃO PAULO esteve no local, a recepção foi solícita, mas houve certa desconfiança. "Muita gente deprecia nossa posição. Nossa luta não é fácil. Passam aqui na frente xingando", disse Elizabeth Leme. "Quer um café?", perguntou. 

Elizabeth, a mais falante do trio, diz que a mobilização é por uma intervenção constitucional. "Queremos uma democracia verdadeira, não essa roubalheira que está aí", esbravejou. “Falar em ditadura é mostrar um grau de ignorância enorme. A partir de 1964 não houve supressão de direitos. Naquela época, respeitávamos a pátria”, lembra.

A afirmação, no entanto, é repelida pela professora de História da USP Maria Aparecida de Aquino, especializada em regime militar: "O pedido de intervenção é tão absurdo que nem os militares da ativa têm interesse em voltar a um período que eles próprios sentem vergonha. Sem falar que a ditadura é condenada pela grande maioria da população há mais de trinta anos", diz. 

Enquanto isso, o grupo se reveza no PR-1 da maneira que dá. “Todos trabalhamos, todos temos renda e família”, diz Elisa Pessoa. “Aliás, nossa família, nossos filhos, nossos amigos apoiam nossas posições”.  

Acampamento intervenção militar
Cozinha "equipada" com fogão, armário e mesa (Foto: Sérgio Quintella)

Questionadas se os netos também defendem a intervenção, ela diz que ainda são pequenos. "Mas o farão quando crescerem. Viverão em um país melhor", almeja Laura, que tinge os cabelos de vermelho. 

Em um dos cômodos do PR-1, onde fica a cozinha, um fogão a gás e um armário doado por um dos simpatizantes compõem o ambiente, juntamente com duas fruteiras. Separado por cortinas de plástico, um segundo ambiente é a despensa, onde garrafões de água ficam ao lado de mantimentos.

Há ainda outros dois cômodos montados a partir de lona e armações metálicas. Nesses locais há camas, colchões e beliches. Os grupos se revezam para dormir no lugar.

Jogo airsoft simula ações militares em florestas da capital

O que teve de almoço?", perguntou a reportagem. "Não sei, nós chegamos agora a pouco, almoçamos em casa", diz Elizabeth, vestida com roupa azul e com os cabelos tingidos de loiro.

Os "intervencionistas" afirmam que só deixarão a região quando vencerem a luta. Apesar do baixíssimo apoio popular à causa, elas acreditam ser possível a tomada do poder pelos militares. “A intervenção constitucional é como uma intervenção cirúrgica. O médico não opera sozinho, ele precisa do bisturi. Nesse caso, o cirurgião é o povo; o bisturi são as Forças Armadas”.

Acampamento intervenção militar
Vista interna de um "puxadinho" da ocupação (Foto: Sérgio Quintella)

"Veja lá o que você vai escrever, hein? Estou com seu telefone", despede-se a bem humorada dona Elizabeth. Nesse momento, passa um taxista que pergunta o que é o acampamento.

Ao ser informado sobre o propósito do grupo, ele balançou negativamente a cabeça. Na sequência, desferiu uma popular "banana". Só que esta era bem diferente daquelas dispostas na fruteira do PR-1. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO