Acervo da Pinacoteca do Estado

Todo o 2º andar do edifício projetado por Ramos de Azevedo e Domiciano Ross é dedicado à história da arte do país nos últimos 200 anos

Nenhum local da cidade é tão adequado para apreciar a história da arte do país nos últimos 200 anos quanto a Pinacoteca do Estado. Todo o 2º andar do edifício projetado por Ramos de Azevedo e Domiciano Ross (reformado com grande competência por Paulo Mendes da Rocha nos anos 90) é dedicado ao tema. Cerca de 10% das 8 000 obras do acervo podem ser vistas atualmente. Há muitas pinturas de artistas da virada do século XIX para o XX — um território carente na maioria das instituições —, como Victor Meirelles, Almeida Júnior, Eliseu Visconti e Pedro Weingärtner. Outras salas se dedicam ao modernismo e ao neoconcretismo. Por fim, vários contemporâneos são contemplados, caso de Tunga, Tomie Ohtake e Nuno Ramos. “Aproveitamos para estruturar relações entre acervo, atividades educacionais e exposições temporárias”, diz Marcelo Araújo. Uma boa notícia: a Secretaria de Estado da Cultura destinou 1,5 milhão de reais no orçamento de 2010 para a aquisição de novos trabalhos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s