Grupo que defende separação de São Paulo fará ato no Obelisco no domingo

Movimento formado por cerca de 50 pessoas foi criado nos anos 90 e viu número de seguidores nas redes sociais crescer

Durante as últimas eleições presidenciais, o Movimento São Paulo Independente (MSPI) viu sua página no Facebook saltar de 8 000 para 25 000 curtidas. Na ativa desde os anos 90, o grupo hoje formado por 50 pessoas, na maioria homens acima dos 30 anos, com ideologias políticas de direita, é o principal a defender a independência do estado de São Paulo em relação ao resto do Brasil.

+ Obelisco reabre para visitação após doze anos

No domingo (25), data do aniversário da cidade, às 10h30, haverá uma manifestação a favor da causa no recém-reinaugurado Obelisco, ponto que homenageia a Revolução de 32, bastante admirada pelo coletivo. Sempre presentes nas últimas manifestações anti-PT, seus ativistas, que fazem reuniões mensais na capital, passaram recentemente a expandir a divulgação pelo interior. Presidente do MSPI e professor de história do Ensino Médio, o paulistano Julio Bueno, de 25 anos, falou a VEJA SÃO PAULO: 

Por que defender essa ideia?

O principal aspecto a se observar é o econômico. São Paulo se mostra o estado que mais arrecada, mas menos de 10% dessa verba retorna para cá em investimentos. O dinheiro fica perdido em Brasília, em um governo ineficiente e corrupto. Queremos poder gerir nossos próprios recursos e não precisar repassá-los para regiões mais atrasadas, que vivem de sugar e parasitar o Estado. 

O que acha que aconteceria com essas economias mais pobres, caso ocorresse a independência? 

O resto do Brasil precisaria criar uma nova forma de gerar riquezas, sem ser suportado por nós. Isso geraria outras formas de organização do país, gerando um novo ciclo de desenvolvimento. Os nordestinos perderiam sua galinha dos ovos de ouro. Não podemos ser responsáveis pelas finanças do Brasil todo, devemos pular fora desse barco.

 

Os motivos são apenas econômicos?

Não, também são políticos – porque somos subrepresentados em Brasília – e culturais. Os contrastes entre São Paulo e Rio de Janeiro são maiores do que entre a Colômbia e a Venezuela. Existe uma nação paulista. Porém, o Brasil não é uma nação, mas um país plurinacional. A única coisa que liga os estados é a língua, pois as diferenças se mostram gritantes.

O que define a cultura paulista em sua opinião?

Para crescer, São Paulo se baseou em uma ética de empreendedorismo, desde o tempo dos bandeirantes. Trata-se de um povo que procura desbravar e conquistar. Nada daquele espírito de comodismo, de levar vantagem. Procuramos resolver nossos problemas, sem muletas para nos escorar.

+ O que foi a Revolução de 32

Assim como outros estados perderiam com a separação de São Paulo do Brasil, São Paulo também não perderia benefícios provenientes de outros estados?

Não perderíamos absolutamente nada. Praticaríamos o livre comércio com outras regiões. Não há motivo para ter qualquer espécie de protecionismo. 

Há um discurso muito forte de “nós e eles” no Movimento. Existe preconceito com as pessoas de outras regiões?

Não. O movimento possui integrantes de outros estados. Nosso discurso não é de segregação. É de inclusão, inclusão dos nossos, os paulistas. O cidadão que não nasceu aqui, mas veio para cá e adotou o local como lar, engrandece o estado com sua trajetória. Quando a pessoa adota nossa ética, não é visto como o “outro”. Só não podemos querer incluir o mundo inteiro dentro de São Paulo. 

+ Chuva de doações para o fundo revolucionário

Acredita que algum dia a independência irá se consolidar?

Sim. Trata-se de um processo de longa duração. Não será de uma hora para a outra. Há outros estados que querem a mesma coisa, a exemplo de Pernambuco e o Sul como um todo. A ideia ainda é eleitoralmente repudiável, por isso políticos não a defendem publicamente. Tem também quem ache que consiste em um projeto defensável, mas não aplicável. Estamos fazendo nossa parte para promover a discussão e mostrar que a separação é possível sim.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s