ABC sofre mais com a crise devido à dependência do setor automotivo

Até movimento de restaurante tradicional caiu 30%

Fundado em 1956, o Florestal Demarchi é uma das principais paradas da tradicional rota do frango com polenta de São Bernardo do Campo. Em um fim de semana de movimento normal, cerca de 2 500 pessoas passam pelo estabelecimento. Do início do ano para cá, no entanto, o salão de 2 000 metros quadrados do restaurante tem registrado grandes vazios. De acordo com cálculos de um dos sócios, Edson Demarchi, o movimento caiu 30% no período. “As famílias estão reduzindo os gastos e saindo menos para comer”, lamenta o empresário.

O cardápio de emergência adotado na casa para enfrentar os tempos bicudos inclui promoções pontuais, com descontos que podem chegar a 25% para casais e a multiplicação de ofertas de reservas em sites de compras coletivas. O esforço envolve também ajustes no quadro de funcionários. “Cinco deles pediram demissão nos últimos meses, e não vamos repor as vagas”, conta Demarchi, que comanda atualmente uma brigada de setenta empregados. A distribuição de bônus salarial por desempenho do negócio, comum até o início de 2014, foi substituída por folgas remuneradas.

+ Dez coisas que provam que quem mora no ABC não precisa de São Paulo

A história do Florestal é um exemplo dos efeitos da atual crise sobre a regiãodo ABC paulista. A situação é aindamais delicada por ali devido à dependênciaeconômica em relação à indústriaautomotiva. De acordo com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados(Seade), ela responde por cerca de 12% dos postos de trabalho locais. As montadoras vivem um dos momentos mais difíceis dos últimos anos. No primeiro semestre de 2015, por exemplo, as vendas de veículos caíram 21% no país, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). De São Bernardo e dos municípios vizinhos saem 16% da produção nacional de carros e 52% dos caminhões fabricados no Brasil.

Crise no ABC

Crise no ABC

Em junho, um grupo de manifestantes montou acampamento durante 26 dias em frente à Mercedes-Benz, em São Bernardo, para protestar contra a demissão de 500 operários. No dia 31 de julho, a companhia anunciou que 7 000 empregados, o equivalente a 70% de sua força de trabalho nessa unidade, vão entrar em período de licença remunerada. Até agora, as montadoras do ABC demitiram mais de 20 000 pessoas.

+ Trinta coisas que só quem é do ABC vai entender

Entre junho de 2014 e junho de 2015, a região registrou o fechamentode postos de trabalho em um ritm oquase oito vezes maior que o de São Paulo. O metalúrgico Douglas Fuzetti, de 51 anos, não perdeu o emprego na General Motors, mas teve seu contrato suspenso temporariamente em novembro do ano passado, o chamado lay-off (uma parte do salário é paga pela montadora e a outra pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador). “Você fica agoniado com a situação; o jeito é pensar em alternativas”, afirma. Ele tirou dinheiro da poupança da família para investir em cafés.

Crise no ABC

Crise no ABC

Os problemas estão se alastrando rapidamente para outros setores da economia da região, como o varejista e o imobiliário. A comerciante Leiliane Gomes, do Vestidos Sal e Pimenta, amargou a redução de 40% no movimento em 2014. O estabelecimento, especializado em roupas femininas, fica na Galeria Z, no centro de São Bernardo. “Das doze lojas daqui, quatro fecharam”, afirma. Em Santo André, a queda de 50% no movimento de frequentadores do Shopping ABC no início do ano motivou o fechamento do restaurante Hooters, em fevereiro. “Eu me sentia trabalhando à toa sem ter quem receber”, diz a gerente Luisa Costa. “Quando o negócio foi aberto, em julho de 2013, o movimento estava muito bom. Mas no começo de 2015 já estávamos atendendo um número 80% menor de fregueses”, conta.

+ Frases que você nunca vai ouvir de quem mora no ABC

A unidade foi transferida para o bairro do Jardim Paulista, em São Paulo. No Grand Plaza Shopping, o impacto foi mais sentido nos setores de eletroeletrônicos e vestuário. “Para manter a taxa de ocupação e evitar a saída de condôminos, negociamos descontos temporários no preço dos aluguéis”, diz Henrique Carvalho, superintendente-geral de shopping centers da CCP, grupo que administra a rede. Segundo lojistas do empreendimento, a redução da despesa mensal chega a 10% em alguns casos.

Crise no ABC

Crise no ABC

Em São Bernardo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, tradicional ponto de venda de carros, ao menos seis lojas fecharam desde o início do ano. “No próximo mês, vou ter de enxugar a equipe”, lamenta Ronaldo Moreti, dono do ClubCar. “Se isso não resolver, só me restará baixar as portas.” Ele não é o único com esse tipo de problema. Nas concessionárias do ABC, houve em abril uma redução de 15% nos negócios em relação ao mesmo período do ano passado.

No mercado imobiliário, os lançamentos caíram 5,3% e as vendas diminuíram 10% no primeiro semestre, segundo a Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC. “O sentimento é de insegurança por parte do comprador. Ele tem medo de perder o emprego e desiste de adquirir uma propriedade”, afirma Milton Bigucci, presidente da entidade.

Crise no ABC

Crise no ABC

Com os juros altos, o custo do financiamento de bens aumentou e o setor bancário ficou mais restritivo na aprovação de crédito. “O consumidor não compra, o varejo não vende e a indústria não produz”, resume o economista Guilherme Dietze, da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (FecomercioSP). A situação anda tão preocupante que a Associação Comercial de Santo André convocou um protesto para esta quarta (12). Batizado de Reage ABC, o evento ocorrerá nas ruas da cidade para chamar atenção para esses problemas. Até a semana passada, 300 empresários haviam confirmado presença.

+ Confira as últimas notícias

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s