Sem alarde, Pitanga passou a abrir no jantar

Conhecido pelos atraentes bufês de almoço, o Pitanga vem passando por modificações desde a metade do ano passado. O fundador Gilberto Geronimo Oller, o Peninha, cuja trajetória você conhece aqui, vendeu a casa para Rodrigo Tambelli em junho. Essa informação, porém, só se tornou conhecida no fim do ano passado. Aliás, o site do restaurante […]

Pitanga: opções à la carte no jantar (Foto: Arnaldo Lorençato)

Conhecido pelos atraentes bufês de almoço, o Pitanga vem passando por modificações desde a metade do ano passado. O fundador Gilberto Geronimo Oller, o Peninha, cuja trajetória você conhece aqui, vendeu a casa para Rodrigo Tambelli em junho. Essa informação, porém, só se tornou conhecida no fim do ano passado. Aliás, o site do restaurante está precisando de uma modificação urgente. Continua com as sugestões do Peninha.

Tambelli: agora dono de restaurante (Foto: divulgação)

Antes de se tornar chef e dono do Pitanga, o novo proprietário estudou educação física e fez mestrado em fisiologia humana na USP. Só então descobriu que queria ser cozinheiro, o que o levou a ingressar no curso de gastronomia do Senac, concluído em 2008. Em seguida, trabalhou em estabelecimentos como o Nonno Ruggero, do Shopping Cidade Jardim, o Kaá, sob a orientação do francês Pascal Valero, e o Pecorino, onde foi subchef.

Embora evite fazer alarde, Tambelli promoveu a primeira grande mudança no Pitanga ontem. O restaurante passou a abrir também para o jantar com opções à la carte e funciona de forma experimental nesta e na próxima semana, o tal “soft opening”.

Patanisca: leveza no preparo de petisco português (Foto: Arnaldo Lorençato)

Fui conferir ontem mesmo. Ainda não estão disponíveis todos os itens do cardápio. O chef insiste em chamar as entradas de tapas, mesmo que poucas delas tenham uma pegada espanhola. Não imagino, por exemplo, uma taperia vendendo bruschettas sob o sol da Andaluzia. Enfim, virou moda chamar todo tipo de petisco de tapa.

Belisquei a porção de patanisca de bacalhau, uma fritura portuguesa feita com leveza. O prato principal, uma dupla de escalopes de filé-mignon deliciosamente malpassada chegou na companhia de um risoto de parmesão com cubos crocantes de abóbora.  A refeição com sobremesa (manjar de coco) e sem bebidas alcóolicas para uma pessoa deu 96,50 reais.

Escalope com risoto de abóbora: sugestão italiana (Foto: Arnaldo Lorençato)

Causou certo desapontamento não a ausência de algumas opções do menu, mas o fato de o chef não ter um misto das chamadas tapas. Uma composição de vários petiscos seria muito bem-vinda. Agora é aguardar a fase de ajustes.

(Clique na imagem para ampliar)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s